Artimanhas para seduzir clientes

Jornal do Brasil

RIO - Quando se pergunta a uma pessoa qual a profissão que ela queria ter, provavelmente a de vendedor não seria uma das primeiras opções, devido à alta carga horária de trabalho. No entanto, o segmento de varejo é um dos que mais emprega no país. Só que boa parte desta mão de obra está longe de ter qualificação e, em muitos casos, o emprego não passa de um meio de sustento até aparecer outro trabalho.

Mas esta realidade pode ser diferente, caso a pessoa encare a atividade como uma carreira, onde poderá crescer profissionalmente e obter ganhos comparáveis a de algumas empresas. Entretanto, para atingir este patamar é fundamental se preparar adequadamente para enfrentar o setor.

Segundo Pietro Grei, supervisor da rede lojas de acessórios femininos Via Mia, infelizmente a maioria das pessoas que ingressam no varejo fazem mais como forma de ganhar dinheiro ou ter um emprego por algum tempo, esquecendo que podem ter uma carreira promissora, desde que se empenhem e invistam em sua qualificação.

- As pessoas encaram o varejo com um emprego temporário, algo passageiro até encontrar um trabalho melhor. Tem quem ache que não é uma profissão. É um erro, pois o varejo além de ser um dos maiores empregadores do país, oferece ganhos satisfatórios para aquele que se dedica - afirma o supervisor.

Muitos sentem vergonha de estarem trabalhando em uma loja, garante Pietro, e não em um escritório. Só que elas esquecem que podem ter sucesso na carreira, desde que tenham em mente a vontade de progredir .

Ele mesmo é um exemplo de crescimento no varejo. Começou como estoquista, em pouco tempo chegou a vendedor, gerente e atualmente ocupa a supervisão da rede que tem lojas no Rio, Recife, Salvador, Belo Horizonte e Vitória.

Vi que a empresa oferecia possibilidades de crescimento. Para isto, investi ao máximo na carreira, estudei o perfil da rede, as necessidades dos clientes, procurei me qualificar ao máximo. Conheço outras pessoas que seguiram o mesmo caminho. Fizeram faculdade e chegaram a postos importantes revela.

Jornada

Ana Lúcia Ribeiro lutou muito contra o preconceito de trabalhar no varejo. Ela enfrentou tudo e ocupa a gerência de uma rede de moda feminina.

Tinha vergonha dos meus amigos que trabalhavam em escritórios. Foi com o dinheiro das vendas que fiz faculdade e cresci na empresa conta