Mulheres no comando das maiores redes hoteleiras

Da Redação, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - É indiscutível que cada vez mais as mulheres vêm ocupando altos postos no mercado de trabalho brasileiro. Muitos destes, que tempos atrás eram dominados pelos homens, agora são dominados pelas mulheres: caso do comando das grandes redes hoteleiras internacionais instaladas no país.

Competentes, detalhistas e, na maioria das vezes, mais eficientes que os homens, as mulheres ainda conseguem conciliar o lado profissional com o de mães e esposas. Exemplos não faltam. É o caso de Sintia Gomes, de 48 anos, que foi a primeira mulher na América Latina a ocupar o cargo de gerente geral da rede Sheraton.

Realmente me sinto privilegiada de ter tido esta oportunidade. Não por ser mulher, mas pela credibilidade de ocupar uma posição de tanta responsabilidade. Eu sempre achei que as oportunidades se apresentam de igual forma para todos. É claro que os homens, por não terem o compromisso das atribuições do lar, têm mais disponibilidade e acabam ocupando tais cargos com mais freqüência revela Sintia, mãe de dois filhos que, mesmo enfrentando jornadas de até 12 horas diárias, não abriu mão de cuidar das crianças.

Mas para comandar um hotel não basta apenas ser uma boa profissional. Há exigências para o cargo, como domínio de mais de um idioma, conhecer administração de empresas entre outras tarefas, além de viagens.

Trabalho cerca de dez horas por dia, cinco dias por semana, cuidando desde o atendimento a clientes, fornecedores, avaliando projetos, analisando receitas e como diminuir os gastos, treinamento de funcionários e procurando inovações diz Sintia.

Administração e vendas

Ana Cláudia Nery começou em hotelaria por acaso. Com inglês fluente e o boom do turismo na década de 80, as portas se abriram para ela. Se há 23 anos não tinha experiência, hoje ocupa o cargo de diretora de vendas e marketing de uma rede internacional de hotéis.

Liderando uma equipe de 12 pessoas, onde somente três são homens, Ana Cláudia tem a responsabilidade de desenvolver estratégias preços, treinamento de funcionários, ações promocionais e uma dezena de outras atividades.

Quando assumi minha primeira posição de diretoria, tinha 24 anos e não me sentia preparada. Tive que lutar contra o meu próprio preconceito. Na época, em 2000, era a única mulher de um grupo de oito diretores. Hoje, no Sheraton Barra, somos 50% do grupo. Porém, a grande maioria ainda é composta de homens explica a diretora que, por força do cargo, já visitou cerca de 15 países e mais de 40 cidades no exterior.

Embora tenha inúmeras atribuições, Ana Cláudia Nery não abre mão de sua vida pessoal, como o café da manhã com o marido, o salão de beleza e as reuniões com os amigos.

Minha vida é uma correria, mas procuro encontrar tempo para tudo. Para isto, é preciso delegar tarefas para outras pessoas, o que muitas vezes não é fácil, por exigir treinamento finaliza.