Crise e problemas climáticos afetam exportações de frutas

SÃO PAULO, 22 de dezembro de 2009 - O Brasil deve fechar o ano com redução de 11,6% no volume de exportações de frutas nacionais, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Frutas (Ibraf), com base nos dados da Secretaria de Comercio Exterior (Secex).

De janeiro a novembro, foram exportadas 707 mil toneladas de frutas, no mesmo período do ano passado foram 811 mil toneladas. Em 2009, o valor total do comércio internacional de frutos deve girar em torno dos US$ 561 milhões.

De acordo com Moacyr Saraiva Fernandes, presidente do Ibraf, essa redução de mais de 10% no volume de exportação é decorrente de diversos fatores, "mercados deprimidos, preços baixos e divergências climáticas nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, além da decisão dos importadores em reduzir os contratos, foram alguns dos responsáveis pelo cenário que é visto hoje."

O clima prejudicou algumas culturas nesse ano, a região Nordeste foi a mais afetada e, consequentemente, as produções de banana, manga, abacaxi e uva sofreram quedas na exportação.

Já com a crise econômica, houve uma retração de compra por parte dos importadores, além de cortes nos financiamentos para as operações pré-embarque de muitos exportadores. Outro fator financeiro responsável por essa quebra na exportação foi a valorização do real com relação ao dólar, "com a valorização de 25%, desde janeiro de 2009, muitos exportadores reduziram as vendas externas e focaram no mercado interno, que se apresentou mais lucrativo", analisa Fernandes.

A pauta de exportações de frutas processadas também fechará em queda neste ano, impulsionada pelo suco de laranja congelado, que teve uma redução 41% até novembro comparado com o mesmo período do ano anterior. Para o presidente do Ibraf "a dificuldade maior para as exp