Petróleo e gás: o futuro é agora

JB Carreiras, JB Online

REDAÇÃO - A promessa de uma forte geração de empregos no setor de petróleo e gás no Brasil, que mantém investimentos elevados a despeito da crise financeira mundial, já está provocando uma intensa procura de trabalhadores por cursos de qualificação na área da aprendizagem para os jovens aos níveis técnico e superior. A corrida tem como aposta as contratações necessárias para suprir as recentes descobertas de novos campos de petróleo no país, a exploração da camada pré-sal e, agora, já despertam atenção as prospecções de gás no Norte e Noroeste de Minas Gerais.

Muitas escolas especializadas na área de petróleo e gás são criadas justamente pela necessidade de capacitação e as crescentes ofertas de empregos. Samuel Pinheiro, diretor da Petrocenter instituição especializada na formação desses profissionais afirma que este é o momento certo para investir na área. E a população ganha oportunidade de entrar para o mercado e aumentar vertiginosamente sua renda salarial.

Muita gente entra na área de petróleo e gás como operacional e chega à área gerencial com esforço próprio, buscando qualificação. Isso quer dizer que temos uma ascensão vertical muito rápida. Em cinco anos o profissional pode crescer muito mais do que no mercado "normal", que está saturado avalia Samuel Pinheiro, que faz questão de destacar a importância do idioma inglês, já que grande parte da diretoria das empresas do setor é composta por estrangeiros.

Fazendo a diferença

Durante uma reunião extraordinária do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) sobre o pré-sal, a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, destacou a geração de empregos na área estimada em 243 mil novos postos de trabalho até 2020 e falou sobre o impulso que isso dará ao desenvolvimento da indústria nacional. Ela citou números que mostram a necessidade da aquisição de cerca de 250 guindastes, 280 reatores e 1,8 mil tanques de armazenamento.

Isso dá a ideia do volume de demanda que o pré-sal vai representar para a indústria de serviços disse a ministra.

Para o jovem Patrick Barbosa de Carvalho, de apenas 19 anos, o investimento na carreira já está dando bastante resultado. Aluno há um ano do Petrocenter, no curso de pintura industrial, ele já está empregado na área e muito orgulhoso de sua conquista.

O momento em que resolvi entrar na área de petróleo e gás mudou a minha vida, pois estou empregado e trabalhando na pintura dos blocos da Plataforma P56 contou o jovem, que pretende cursar graduação em engenharia mecânica para complementar o ensino e evoluir na profissão.

Cursos sobre segurança são os mais procurados

Dentro da área de petróleo e gás, os cursos de segurança se destacam, pois são imprescindíveis para que o profissional seja aceito nas grandes empresas. Dentre os mais procurados estão o NR33 sobre as normas de segurança e saúde em locais confinados, que tem validade de apenas um ano, e o NR13, que trabalha com caldeiras e vasos de pressão.

Todos os profissionais precisam passar por isso, desde os que estão começando agora até os que já estão no mercado, que precisam de reciclagem. E não adianta tentar entrar na área de petróleo e gás sem isso, porque as empresas já buscam quem tem essa especificação para que não precisem gastar mais nisso explicou Samuel Pinheiro, diretor da Petrocenter, lembrando que uma boa condição física também é importante para quem busca a área de petróleo e gás, pois muitos deles irão trabalhar embarcados, o que demanda um certo risco.

Aposentados na mira

A equipe que formará o quadro de pessoal da Petro-sal, empresa que será criada para gerenciar a parte da União na partilha do petróleo da camada pré-sal, deverá incluir ex-funcionários aposentados da Petrobras. Essa foi a avaliação que o presidente da estatal, José Sergio Gabrielli, na última semana.

Segundo ele, o Brasil tem poucos profissionais qualificados para o tipo de função que será exercida pela Petro-sal e, por isso, os aposentados devem ser chamados inicialmente.

Essa empresa é pequena - com pouco mais de 100 funcionários - que tem que convocar gente altamente especializada, que é um conjunto pequeno de pessoas no Brasil. Como não podem ser pessoas da ativa da Petrobras, nem podem ser das empresas privadas, eu imagino que o recrutamento inicial será entre os aposentados existentes na área e, ao longo do tempo, o mercado criará novos profissionais treinados revelou.