Bota tenta superar cansaço e desfalques para voltar a vencer

Fúlvio Melo, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Com início de Brasileiro ruim, o Botafogo, aos poucos, veio acertando o prumo e melhorou, deixando a zona do rebaixamento e atingindo a 13ª colocação. O discurso de ascensão inclui terminar o primeiro turno em sétimo lugar. Mas bastou a derrota para o São Paulo (3 a 1), na quarta-feira, para a meta do cansado e desfalcado time alvinegro mudar. Sábado, às 18h30, contra o Atlético-PR, o primeiro pensamento é deixar de vez as cercanias da zona do rebaixamento.

Temos que nos afastar da parte de baixo. Estamos jogando mal dentro de casa. Mas espero que o time repita o mesmo resultado dos jogos contra Barueri, Santos e Inter explicou o técnico Ney Franco, citando os triunfos dentro de casa.

Para superar os paranaenses, a equipe terá que contornar um problema recorrente: lesões causadas pelo cansaço muscular de alguns atletas. O volante Renato e lateral-esquerdo Michael estão vetados pelo departamento médico, ambos com problemas musculares. Jônatas será titular pela primeira vez e Batista volta a ser improvisado na lateral.

Começamos a sentir os jogos quarta e domingo. Temos maneirado nos treinos. O Lucio Flavio, por exemplo, foi poupado do treino. Vamos sofrer com isso e temos que tentar preservar os jogadores ao máximo frisou Ney.

A recomendação se estende até para quem está em ação. André Lima, que retorna ao comando de ataque após cumprir suspensão contra o São Paulo, revela o que faz para minimizar o risco de uma lesão, mesmo quando não está jogando.

Procuro deixar o pé para cima. Temos que nos cuidar, o campeonato é longo e ficar fora atrapalha a sequência tanto do jogador quanto do time assegurou André, que segue na vaga de Reinaldo, com o tornozelo machucado e ainda sem data definida para voltar.

Para Ney, o cansaço foi um dos fatores primordiais para o time ter sido dominado na última partida. Após regressarem de São Paulo, os jogadores fizeram apenas treinos leves para evitar mais lesões.

Nosso setor defensivo foi muito exigido fisicamente. Sentimos bastante na última partida reconheceu. O Atlético também tem muita velocidade com o Alisson e com o Marcinho. Temos que estar atentos.

Capitão fora

Ao receber o terceiro cartão amarelo, Juninho acabou suspenso e colocando uma dúvida na cabeça do técnico. Para substituir o capitão, duas opções: o irregular Emerson, em uma troca de zagueiros simples, ou o recuo de Leandro Guerreiro para a função de líbero, o que possibilitaria a entrada de Fahel.

O Guerreiro está acostumado a essa função disse Ney dando pistas sobre o provável substituto.

Quem não esconde a alegria de voltar é André Lima. Com três gols desde seu regresso ao clube, o atacante se divertiu ao fim do treino desta sexta, pilotando o carrinho da maca. Como a quinta marcha alvinegra no Brasileiro apenas ameaçar engatar, o jogador volta com sede de vitória.

Temos que acelerar na tabela. Sempre gostei de carro e meu sonho é reencontrar um Chevette antigo, meu primeiro carro. Estou procurando brincou o atacante.

Mas, para vencer, o chefe de equipe Ney Franco sabe que terá de derrotar uma raposa das pistas, ou melhor, dos gramados. O veterano Antônio Lopes, técnico do Atlético, vai para sua segunda partida.

Ele assumiu e o time venceu. São nossos adversários diretos na tabela. Temos que vencer de qualquer jeito afirmou Ney.