Andrade resume a dimensão da virada de 2 a 1 sobre o Santos

Jornal do Brasil

RIO - O Flamengo viveu neste domingo uma tarde especial. Fazia seu milésimo jogo por um Brasileiro marca expressiva para um dos poucos clubes que jamais foram rebaixados para a Série B. Para abrilhantar ainda mais a festa, o time quebrou o incômodo tabu de não vencer o Santos na Vila Belmiro desde 1976. Sob o comando de Andrade, o maior recordista da competição como jogador (cinco títulos), a escrita terminou com direito a lágrimas do comandante interino. Um choro que uniu desabafo pelas pressões que sofre no clube desde 2004 e emoção pela morte do amigo Zé Carlos, goleiro campeão da Copa União de 87.

Essa vitória é para a torcida e para o Zé disse Andrade emocionado, logo depois do apito final.

Uma comemoração que teve direito até a abraço em Bruno, que este ano o xingou em um treinamento. Uma festa que, para rubro-negros que não vivenciaram os anos 70, significou o fim de um fantasma que parecia eterno.

O placar de 2 a 1, aliás, foi o mesmo da vitória de 76, quando Vanderlei Luxemburgo, técnico santista, era lateral do Flamengo.

Jogo equilibrado

O Santos foi mais perigoso no primeiro tempo. Vinha de uma vitória sob o comando de Vanderlei Luxemburgo e aproveitou o fator campo para intimidar o adversário. Com dois minutos de bola rolando, o zagueiro Fabão soltou uma bomba de fora da área. A bola passou perto da trave direita de Bruno.

O Flamengo não se acovardou. Buscava o toque de bola e vez por outra incomodava o goleiro Felipe. Aos 13, Everton chutou da entrada da área para a defesa do camisa 1 da Vila. No minuto seguinte, o veloz Madson cobrou falta da esquerda, Welinton se atrapalhou na marcação e o jovem atacante Neymar finalizou mal, sem perigo para Bruno. No lance, Neymar foi tocado por trás por Welinton após a conclusão. Os jogadores do Santos pediram pênalti, mas o choque aconteceu depois que o atacante já havia chutado.

Apesar da movimentação, o Flamengo só assustou aos 38, e assim mesmo de bola parada. Adriano cobrou uma falta que Felipe espalmou para escanteio.

O Santos era superior. E na última bola do primeiro tempo, Neymar teve a chance de abrir o marcador. Em jogada individual de Domingos, o zagueiro cruzou rasteiro, a bola passou por todo mundo e sobrou livre para o atacante, que finalizou muito mal.

No segundo tempo, o panorama mudou. O Flamengo começou assustando. Logo aos três minutos, Adriano tentou de bicicleta, mas a bola saiu torta, facilitando a defesa do goleiro santista. Adriano teve outra chance de abrir o marcador. Aos 15, após escanteio da direita, o Imperador chutou de perna esquerda e Felipe salvou milagrosamente.

O lance fez o Flamengo gostar da partida. Mas duas substituições de Luxemburgo mudaram o ritmo do jogo. Saíram Neymar e Roberto Brum entraram, respectivamente, Thiago Luís e Robson. Logo em sua primeira participação, Robson surpreendeu Bruno com uma bomba rasteira no canto esquerdo: 1 a 0.

Mas o Flamengo tinha Adriano em tarde inspirada. O Imperador tentara de cabeça, de meia bicicleta e de primeira. Fez o gol, no entanto, do único modo que ainda faltava neste seu retorno à Gávea, a bomba de fora da área, uma de suas especialidades. Da intermediária, aos 32 minutos, a bola com efeito traiu Felipe, que não evitou o empate.

A partir daí, as duas equipe fizeram um jogo aberto. E brilhou a estrela de Andrade. Aos 43, Bruno Paulo, que entrara no lugar de Toró, cruzou da direita e o zagueiro Pará, assustado com a presença do Imperador, empurrou contra a própria rede: 2 a 1 e festa rubro-negra na Vila Belmiro.

Bruno sai em defesa de seu ex-desafeto

Além de homenagear Zé Carlos, campeão brasileiro de 87 que morreu sexta-feira, de câncer, Andrade fez questão de dizer palavras de carinho a todo o elenco rubro-negro.

Quis o destino que eu estivesse aqui hoje, dirigindo esse time fabuloso do Flamengo. Mais uma vez o clube fez com que eu me orgulhasse. Os garotos se dedicaram e quero agradecer muito a eles disse o comandante, que até sexta-feira era interino, mas que, com a vitória de domingo, pode começar a sonhar em ser mantido no cargo pelo menos até o jogo de quinta-feira, contra o líder Atlético-MG.

Até o goleiro Bruno, que este ano xingou Andrade em um treinamento, elogiou muito a postura do comandante de domingo.

A comemoração é pela história que a gente vem marcando no Flamengo e pelo Andrade. Ele é merecedor. A gente sabe que a situação é complicada, mas a vitória é para ele disse o goleiro. Tivemos atitude de time vencedor. Voltamos a vencer um jogo fora de casa. Isso dá moral. Ainda quebramos um tabu. Temos que manter essa pegada, vontade e vibração nos próximos jogos.