IGP-10 desacelera para -0,03% em junho

SÃO PAULO, 18 de junho de 2009 - O Índice Geral de Preços -10 (IGP-10) registrou deflação de 0,03% em junho deste ano, contra alta de 0,17% em maio, informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A retração foi puxada pelo Índice de Preços por Atacado (IPA), que caiu de 0,06% em maio, para -0,39% em junho.

Os Bens Finais (de 0,10% para -0,19%) registraram queda no mês, por conta, principalmente, do subgrupo bens de consumo não duráveis (exceto alimentação e combustíveis), que passou de 1,21% para 0,05%. O índice relativo a Bens Finais, calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis, registrou variação de &´8208;0,01%, contra 0,52% no mês anterior.

O grupo Bens Intermediários registrou deflação de 0,90% em junho, ante &´8208;0,56% em maio. Dois dos cinco subgrupos apresentaram desaceleração, com destaque para materiais e componentes para a manufatura (de &´8208;0,42% para &´8208;1,12%). O índice de Bens Intermediários, obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção foi de -0,77% para &´8208;1,11%.

O setor de Matérias&´8208;Primas Brutas também teve baixa (de 1,04% para 0,16%). Com destaque para as desacelerações dos itens: minério de ferro (de &´8208;4,24% para &´8208;14,34%), suínos (10,96% para &´8208;9,16%) e soja (em grão) (5,47% para 3,02%). Já os itens laranja (de &´8208;12,58% para &´8208;0,26%), aves (de &´8208;2,08% para 2,25%) e café (em grão) (de &´8208;2,88% para 2,74%) avançaram.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) desacelerou para 0,27% em junho, contra 0,48% em maio. Três das sete classes de despesa do índice decresceram. A maior contribuição para a desaceleração partiu do grupo Alimentação (de 0,22% para &´8208;0,30%). Também tiveram retração: Saúde e Cuidados Pessoais (de 1,02% para 0,48%) e Despesas Diversas (de 3,89% para 2,55%).

No sentido oposto, apresentaram alta os grupos: Habitação (de 0,46% para 0,57%), Educação, Leitura e Recreação (de &´8208;0,12% para 0,10%) e Vestuário (de 0,44% para 0,46%). Com destaque para os itens taxa de água e esgoto residencial (de 1,02% para 1,81%), passagem aérea (de &´8208;9,96% para &´8208;1,59%) e calçados masculinos (de &´8208;0,74% para 0,93%).

O grupo Transportes repetiu a variação do mês anterior, de &´8208;0,15%. Apesar da manutenção da taxa, vale citar o comportamento da gasolina (de &´8208;0,75% para &´8208;0,23%) e do seguro facultativo para veículos (de 1,93% para 0,36%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve alta para 1,66%, contra 0,12 em maio. Os três grupos componentes do índice apresentaram aceleração. O grupo Materiais e Equipamentos foi de &´8208;0,95% para &´8208;0,32%; Serviços, de 0,24% para 0,63% e Mão&´8208;de&´8208;Obra, de 1,09% para 3,72%.

(Carina Urbanin - IN)