Confiança do consumidor cresce 3,7%, aponta CNI

SÃO PAULO, 18 de junho de 2009 - A confiança do consumidor brasileiro melhorou no segundo trimestre de 2009 depois de ter caído por dois trimestres seguidos, segundo mostra o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC), elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) a partir de 2.002 entrevistas de consumidores de 143 municípios em todo o Brasil.

O indicador cresceu 3,7% na comparação com o índice registrado no primeiro tri­mestre e manteve-se praticamente constante quando comparado com o segundo trimestre de 2008.

Apesar do crescimento no segundo trimestre, o índice ainda registra queda de 4,6% na comparação com o indicador do terceiro trimestre de 2008, quando os efeitos da crise econômica internacional ainda não eram tão evidentes sobre a economia brasileira.

Segundo a pesquisa, o crescimento do INEC deve-se, em grande medida, à melhora significativa das expectativas em relação ao desemprego e à inflação. O índice de expectativa de inflação registrou crescimento de 11,2%, na comparação com o primeiro trimestre de 2009, e de 9,9%, na comparação com o segundo trimestre de 2008.

O aumento no índice de expectativa de desemprego foi ainda maior (17% na comparação com o primeiro trimestre). O crescimento, contudo, não foi suficiente para compensar a queda desde o terceiro trimestre de 2008. O índice segue 1,8% abaixo do segundo trimestre de 2008, e 8,6% abaixo do terceiro.

A expectativa de evolução da renda pessoal, por sua vez, segue estável. O índice mostrou queda de 0,4% na comparação com o último trimestre e crescimento de 0,6% na comparação com o mesmo trimestre de 2008. Ressalte-se que o índice mantém-se em patamar elevado, considerando-se sua média histórica. Já o índice de endividamento aumentou 3,4% na comparação com o primeiro trimestre, o que denota redução no endividamento dos consumidores.

Apesar da melhora na questão do endividamento, a situação financeira dos consumidores ficou praticamente estável, mas manteve sua tendência de piora. O índice de evolução da situação financeira recuou 0,6% na comparação com o trimestre anterior, a terceira seguida nesta comparação, acumulando recuo de 5,9% desde o terceiro trimestre de 2008.

Para os técnicos da entidade, a melhora na confiança ainda não deve se traduzir em crescimento de compras de bens de maior valor. Mesmo com os incentivos pontuais oferecidos pelo Governo Federal, o índice que reflete as perspectivas de compras de maior valor no trimestre registrou aumento apenas marginal de 0,2%, na comparação com o trimestre anterior, e queda de 2,2% na comparação com o segundo trimestre de 2008.

(Redação - IN)