Cultura também atrai turismo

Evelyn Rosenzweig - Presidente da Câmara Comunitária do Leblon e da Associação Comercial do Leblon, JB Online

RIO - Acho que acordos são sempre para serem cumpridos. Lembro que na época da construção do Shopping Leblon e do novo teatro Casa Grande havia uma placa afixada que dizia que em breve ali funcionaria também o Centro Cultural Casa Grande. Tenho comigo uma fotografia desta placa.

Não só no Brasil como no Rio de Janeiro, há uma demanda muito grande em tudo que diz respeito à cultura. O teatro Oi Casa Grande em si é muito bacana e preparado para receber qualquer peça, mas é necessário espaço para laboratórios e outras atividades culturais. Acho que a cultura é uma atividade importantíssima para o estado e se existe uma proposta para a criação do Centro Cultural Casa Grande, ela precisa ser posta em prática.

Mas infelizmente, a cultura ainda é estigmatizada em nosso país, ainda não é vista como algo fundamental. A cultura tem de ser tratada como um área essencial para a população, assim como todas as outras. Houve uma expectativa muito grande para a criação do Centro Cultural Casa Grande, porque, além da atividade cultural, o centro também atrairia o turismo e principalmente, fortaleceria o turismo interno no Brasil.

É preciso pensar nisso: a cultura atrai o turismo. Imagine alguém vir de São Paulo para algum grande evento no Centro Cultural Casa Grande? Ou mesmo grupos de outros estados que poderiam trazer os seus espetáculos para serem apresentados no Centro. O Leblon precisa disso, o Rio precisa e o Brasil também. A criação do Centro Cultural Casa Grande pode proporcionar um intercâmbio cultural e o nosso estado precisa muito desse intercâmbio.

Acho importante que o governador se sensibilize com esta questão, porque a mentalidade do carioca precisa estar voltada para a cultura muito mais do que ela é hoje. Entendo a necessidade do governo do estado em fazer caixa, mas há outros imóveis para isso. Entendo também que esses R$ 75 milhões são importantes para o governo, mas será mesmo que não há outros imóveis no estado que, sendo vendidos, possam compensar este valor? Porque a criação do Centro Cultural Casa Grande também é valiossíssima para o estado.

Tenho acompanhado as reuniões e assembléias realizadas pelas pessoas que defendem, assim como eu, a criação do Centro Cultural Casa Grande e sei que há ofício judicial que lembra a qualquer comprador do imóvel acima do teatro Oi Casa Grande que ali, naqueles cinco andares, seria o centro cultural. Quando o governador Sérgio Cabral assumiu o governo, ele sabia ou deveria saber desta condição, do acordo que foi feito para a construção do Shopping Leblon. Agora, infelizmente, esta polêmica. É lamentável porque nós precisamos desta parceria com o governo do estado.

A Zona Sul do Rio não tem um espaço público para a cultura, o carioca vai à Lapa buscar cultura. O Centro Cultural Casa Grande pode abrigar apresentações de crianças. Hoje, aqui na Zona Sul, o espaço para que elas apresentem suas pequenas produções se resume às escolas. Então eu gostaria imensamente de que o governador Sérgio Cabral se sensibilizasse, da mesma forma como ele se sensibilizou na questão do terreno onde antes era o 13º Batalhão, também no Leblon, e que agora, ao invés de um monte de prédio que seriam construídos, será o Parque Bossa Nova, um espaço aberto e destinado a todos.