OMS diz que ainda não há pandemia

SÃO PAULO, 11 de maio de 2009 - O novo vírus H1N1 não apresenta sinais de contágio interpessoal contínuo fora da América do Norte, e por isso ainda não pode ser considerado uma pandemia, e nem se sabe se virá a ser, disse na segunda-feira Keiji Fukuda, diretor da Organização Mundial da Saúde.

"Continuamos na fase 5", disse ele, referindo-se à escala de alerta sobre pandemias, que vai até 6."

Os laboratórios da OMS já confirmaram 4.379 casos da nova gripe, sendo 2.600 só nos EUA. Foram registradas 60 mortes, todas nas Américas, especialmente no México, onde milhões de crianças voltaram às escolas usando máscaras e desinfetante para as mãos, após duas semanas de suspensão das aulas para tentar controlar a epidemia.

"Se todos respeitarem (as normas de higiene), teremos um retorno seguro e saudável", disse o ministro mexicano da Educação, Alonso Lujambio.

"Sei que é para nos proteger, mas a máscara é muito desconfortável, me dá comichão", disse a estudante Pamela, 10 anos, em uma escola da capital.

O número de mortos confirmados no país subiu para 56, referindo-se a exames de pessoas que morreram nas últimas semanas. O país tem um total de 2.059 casos em 29 dos 32 Estados, segundo o ministro da Saúde, José Angel Córdova.

Uma equipe internacional disse que o vírus parece se comportar como uma cepa pandêmica, com um contágio mais fácil do que o da gripe sazonal comum.

Neil Ferguson, do Imperial College, de Londres, e seus colegas disseram em artigo na revista Science que até 23 mil mexicanos podem ter se contaminado com a dita "gripe suína".

Eles também descobriram evidências da teoria de que o surto teria começado na localidade de La Gloria, Estado de Veracruz.

(Redação - Agência JB Online)