'Eles recuaram de novo', afirma o goleiro Bruno

Hilton Mattos, Jornal do Brasil

RIO - A vantagem de 2 a 0 construída no primeiro tempo não dava garantias a Bruno de que o título estivesse nas mãos do Flamengo. No intervalo, o goleiro temeu que a ousadia do Botafogo frustrasse o sonho rubro-negro de conquistar o quinto tricampeonato estadual de sua história. Por ter trabalhado com Ney Franco, algo lhe dizia que o treinador adversário mudaria a postura alvinegra no segundo tempo. Bruno temeu o pior. Mas o pior só não veio, segundo ele, porque do outro lado os jogadores sentiram a pressão das recentes derrotas para o Flamengo em final.

Conheço bem o Ney. Sabia que o Botafogo voltaria em cima. E, se eles apertassem, ganhavam. Não ganharam porque recuaram de novo comentou Bruno, fazendo menção às derrotas no Estadual de 2007, 2008 e na decisão da Taça Rio deste ano.

O pressentimento da reação alvinegra fazia parte, também, da demonstração de segurança do goleiro caso o título fosse decidido novamente nas penalidades a exemplo de 2007. Bruno se orgulha de jamais ter perdido decisão por pênaltis desde as divisões de base, no Atlético-MG. A confiança não se limitava aos tempos de vacas magras. Durante a semana, ele e Roberto, preparador de goleiros do Flamengo, assistiram exaustivamente a vídeos dos cobradores alvinegros.

Bruno elogiou o trabalho minucioso de busca do treinador. No material exibido na concentração, havia um farto volume de imagens e estatísticas sobre os principais jogadores.

Se fosse para os pênaltis, eu estava preparado. Hoje em dia existem várias técnicas para se defender pênalti. Sabia que, na maior parte das vezes, o Victor Simões, o Juninho e o Leandro Guerreiro batem no canto que eu pulei. Se o Maicosuel tivesse jogado, tinha me preparado para a paradinha dele. Agora, o pênalti do Léo Silva (o primeiro a cobrar) é impossível de defender disse o goleiro rubro-negro.

Mesmo tendo defendido três cobranças uma delas no tempo normal Bruno rechaçou o rótulo e herói. Este mérito ele prefere que seja dividido com cada integrante da equipe que iniciou a temporada desde a reapresentação na Granja Comary, em Teresópolis.

Fico feliz por saber que ajudei, mas herói é uma palavra muito forte. Herói é quem está com a gente desde janeiro. Herói foi quem levantou a cabeça após a derrota para o Resende (3 a 1 , na semifinal da Taça Guanabara). Herói foi quem entrou em campo acreditando que a gente tinha condições de vencer o Fluminense (1 a 0, na semifinal da Taça Rio), quando todos achavam o Fluminense favorito. Herói foram os meus companheiros que cobraram e converteram os pênaltis, ontem (domingo) discursou Bruno.

Tanta polidez deu lugar a um desabafo ao lembrar dos inúmeros tropeços rubro-negros desde a inesperada derrota para o América do México, há exatos 12 meses. Desde então, o Flamengo passou a acumular derrotas que colocavam em xeque a competência do elenco. O título de domingo tirou-lhe uma espinha entalada na garganta.

Eu estava com isso engasgado. Perdemos para o América do México (3 a 0, no Maracanã, resultado que eliminou o time da Libertadores); depois teve aquela derrota (também por 3 a 0) para o Atlético-MG no Brasileiro; depois, o empate com o Goiás (3 a 3, depois de estar vencendo por 3 a 0 no primeiro tempo), quando ali praticamente demos adeus à Libertadores. E por último a derrota para o Resende. Estava na hora de a gente ganhar uma decisão. Chegava na hora H e a gente dava mole. Com todo respeito ao Resende, com o grupo que temos, não podíamos perder ressaltou.

Homenagem

Além do alívio com o tricampeonato Bruno é um tricampeão legítimo o goleiro estava feliz pelo companheiro Fábio Luciano, que na tarde desta segunda-feira oficializou a sua aposentadoria. Bruno revela uma conversa que o zagueiro e capitão da equipe teve com os jogadores. Fábio Luciano pediu que o grupo jogasse e ganhasse o título por ele. Queria encerrar a carreira com a faixa de campeão. Para Bruno, a importância do zagueiro para o elenco merecia o esforço.

Ganhamos esse título para o Fábio Luciano, ganhamos para o nosso capitão. Esse título é para ele afirmou o goleiro.