Fla sofre com má fase do ataque e anuncia acerto para ter Adriano

Julio Calmon, Jornal do Brasil

RIO - À espera do iminente fim da rápida negociação com Adriano a um sim do atleta para o acerto o Flamengo volta a sofrer com a baixa produtividade de seus atacantes. Além de decepcionar a torcida, o empate em 0 a 0 com o Fortaleza, na quarta-feira, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil, mais uma vez mostrou que o time tem dificuldade para finalizar. Há 23 dias, nenhum atacante consegue marca um gol sequer. O último foi Emerson, que fez contra o Remo, pela fase anterior da Copa do Brasil.

Depois de vencer Fluminense e Botafogo com gols de Juan, Willians ou gol contra, o time torce para que seus atacantes reencontrem o caminho da rede. O maior exemplo é Obina, que não consegue marcar desde Flamengo 3 x 3 Goiás, na penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, no ano passado. A falta de gols fez com que o técnico Cuca deixasse o atacante sem ser relacionado para alguns jogos. Desde o clássico com o Vasco, no dia 22 de março, Obina não ficava no banco. Voltou no primeiro jogo da final e entrou como titular contra o Fortaleza.

Vice-artilheiro do Carioca com 11 gols, Josiel não marca há 34 dias. O mesmo período de Zé Roberto, que só jogou três partidas nesse tempo por estar machucado. Outro que estava em recuperação de lesão é Maxi, que não entra em campo desde o dia 5 de abril. Recuperado, o argentino treinou finalizações.

Nesta quinta-feira, o presidente em exercício Delair Dumbrosck confirmou que o clube conseguiu um parceiro para bancar a volta de Adriano. O investidor faria uso da imagem do atacante só a partir do segundo semestre. Empresário do jogador, Gilmar Rinaldi tenta despistar:

Ainda não temos nada assinado. Só iniciamos a conversa com o Flamengo. Soube que o presidente falou que teria arrumado o patrocinador para acertar o contrato, mas o Adriano ainda não acertou nada.