Emerson chora de alegria em dia de tensão na Gávea

Thales Soares, Jornal do Brasil

RIO - Um ataque que não desperta a menor confiança no torcedor ganhou nesta segunda-feira mais um reforço. Desconhecido do público, Márcio Passos de Albuquerque nasceu em 1978, mas aos 14 anos teve sua idade diminuída em três e o nome alterado para Emerson, identidade que o tornou conhecido no futebol japonês e no Catar. Nesta segunda, o jogador foi às lágrimas ao lembrar da sua prisão em 2005, no aeroporto internacional do Rio, quando passou as férias na cidade com a mulher Thaíse e o filho Emerson, hoje com quase quatro anos.

No dia que disse ser o mais feliz de sua vida, Emerson, que se transformou em apelido depois da regularização de seu registro, encontrou um grupo trancado no vestiário para uma longa reunião de uma hora para lavar a roupa suja e deixar os problemas da derrota por 2 a 0 para o Vasco no passado.

Nesta quarta-feira, o time enfrenta o Madureira, em Edson Passos, sem depender mais de seus resultados para se classificar para as semifinais da Taça Rio.

Não vou secar ninguém disse o jogador, referindo-se ao Friburguense, que está dois pontos à frente do Flamengo no Grupo B, e enfrenta o Fluminense nesta terça, sem Fred, machucado, em Friburgo. Não tem nada perdido. Não vejo a situação tão complicada assim.

Confiante na possibilidade de estar à disposição do técnico Cuca para o enfrentar o Resende, sábado, em Volta Redonda, Emerson vestiu a camisa 11, número que pertencia a Marcelinho Paraíba, negociado com o Coritiba.

O Baixinho vestiu. Tem história esse número disse Emerson, que também é pai de Kevin, de nove anos, e Henry, de um, em homenagem ao atacante francês, que joga no Barcelona.

Num ataque dono de um dos piores retrospectos do país entre os times da Série A (veja quadro abaixo), Emerson deixa de lado o rótulo de salvador. Nesta segunda ele participou de um treinamento com bola na Gávea e tira lições do passado para fazer de sua passagem pelo Flamengo uma verdadeira história de amor e paixão.

Tinha outras propostas melhores, financeiramente falando, mas graças a Deus tenho minha vida estabilizada. Esse é o dia mais feliz da minha vida. O que aconteceu no passado foi que eu tive uma infância muito pobre em Nova Iguaçu e uma pessoa quis me ajudar, mas acabou atrapalhando tudo. Tenho minha parcela de culpa, mas peço aos pais que olhem pelos seus filhos e tomem muito cuidado com os empresários afirmou Emerson, com contrato de quatro meses, renovável até dezembro.