Boa estreia de Fred reforça tese de que ídolo é a essência do futebol

Hilton Mattos, Jornal do Brasil

RIO - Inventor do troca-troca nos anos 70, Francisco Horta, ex-presidente do Fluminense, dá a dimensão do que representa o futebol brasileiro para o país. O discurso, três décadas depois, faz lembrar o dirigente que revolucionou o futebol carioca. Pelé, segundo ele, vale um Itamaraty, e o time das Laranjeiras caminha a passos largos para reeditar a Máquina Tricolor. Posições ufanistas como estas representam o peso de uma aquisição de impacto como a de Fred. E de contratação Horta entende. Foi levando Rivellino, Paulo Cesar Caju, Doval e outros mais para o Fluminense que o clube ganhou títulos e projeção internacional.

Nós somos conhecidos mundialmente pelo futebol. O Pelé vale um Itamaraty. O Pelé é uma palavra universal diz Horta, ressaltando a importância de um jogador de nível internacional no elenco.

Fred custa ao Fluminense aproximadamente R$ 350 mil mensais. Atacante com experiência europeia defendeu o Lyon, da França, por três temporadas e em Copa do Mundo, na semana da estreia foi dúvida até a véspera da partida. Um estiramento na virilha quase o tirou do jogo com o Macaé, no domingo. Mas, numa atuação heróica, venceu a lesão, o adversário e levou alegria a milhões de tricolores espalhados pelo país.

Se vale a pena investir num craque dessa envergadura? Só vale. Veja o retorno. O jogo foi transmitido ao vivo. O Brasil inteiro viu a estreia do Fred. Hoje só se fala no Fred. O futebol brasileiro é o melhor do mundo. Então, nada melhor que repatriar esses jogadores analisa Horta.

Os dois gols marcados no domingo mudaram o ambiente nas Laranjeiras. O time que começou o ano badalado e perdeu crédito na Taça Guanabara volta a ser encarado como forte candidato ao título não só estadual, mas também da Copa do Brasil.

Além de jogador e técnico com status internacional a chegada de Parreira também mexeu com o clube o Fluminense reforçou seu elenco com Conca e Thiago Neves, repatriado do futebol alemão. Nos anos 70, a inesquecível Máquina Tricolor tinha titulares e reservas com passagens pela Seleção Brasileira. No time atual, no entanto, somente o goleiro Fernando Henrique e o meia Thiago Neves vestiram a amarelinha.

Assim mesmo, Horta compara as equipes sob um outro ponto de vista.

Naquele time (a Máquina Tricolor), até os reservas eram de Seleção. Mas não é qualidade que está em jogo, e sim a filosofia de se contratar craques, os melhores. E o Fluminense tem elenco para virar uma máquina. Você supera a crise global com o futebol. O mundo será salvo pelo futebol comenta o ex-presidente.

Washington elogia Fred

Nos anos 80, um time de qualidade mais modesta, mas de encantamento similar, marcou era também nas Laranjeiras. Um camisa 9 virou ídolo da torcida e até hoje é lembrado pelos seus gols. Washington, com autoridade de um tricampeão carioca (83/84/85) e campeão brasileiro (84), diz que a camisa está bem representada.

Parreira frisou bem: o que ele quer do Fred é gol. E estava faltando isso ao time. Espero que ele faça muitos gols para nós. Infelizmente, a bola não estava entrando. E, com o Fred fazendo gol, outros jogadores ganharão confiança analisa Washington.