Chuva não atrapalha desfile das escolas de samba de São Luís

Agência Brasil

SÃO LUÍS - As pernas sobem com dificuldade os degraus da Passarela do Samba, em São Luís (MA). Mas os passos cuidadosos de Mãe Dadá, uma cantora aposentada de 85 anos, são apenas para não escorregar nas arquibancadas molhadas, porque a disposição ainda é grande, apesar da idade.

No último domingo, na primeira noite de desfile das escolas de samba da capital maranhense, Mãe Dadá era uma das mais empolgadas nas arquibancadas, que estiveram lotadas desde as primeiras horas da noite.

- Já brinquei muito hoje [domingo]. Dancei no Cacuriá, no Tambor de Crioula, a dança da vassoura - disse.

O primeiro dia de desfiles das escolas de samba foi marcado pelo grande público que compareceu à passarela do Anel Viário, no centro da cidade, e pelo rigor da organização que não permitiu atrasos nas apresentações.

O início dos desfiles, marcado para as 19h, foi cumprido rigorosamente e a agremiação Terrestre do Samba entrou na avenida com dois carros cobertos por uma lona preta porque não conseguiu concluir a montagem.

O relógio ainda não marcava 22h e os ingressos, distribuídos de graça, já estavam esgotados. Nem a chuva, que insistiu em cair em vários momentos da noite, diminuiu a empolgação dos foliões ludovicenses.

- O Carnaval de São Luís já esteve bem desorganizado. Mas este ano, está tudo muito bonito. Pena que chegamos tarde e não conseguimos os ingressos - lamentou o estudante Jefferson Soares, que assistia ao desfile da concentração com os amigos.

A aposentada Lair Conceição, 86 anos, também se divertia ao som das baterias, apesar de afirmar que não gosta da festa.

- Vim ver minha neta desfilar - afirmou.

Na noite de ontem também desfilaram pela Passarela do Samba as escolas Túnel do Sacavém, Marambaia. Turma da Mangueira, Unidos de Fátima e Favela do Samba. O presidente da Fundação Municipal de Cultura (Func), Euclides Moreira Neto, comemorou o sucesso da organização dos desfiles, que terminaram às 2h15 da madrugada de hoje.

- O público voltou. A baderna de antigamente ficou no passado. O público está se sentindo respeitado - disse.