Beija-Flor comove, Tijuca está na cola e Mocidade briga para não cair

Emerson Rocha, JB Online

RIO - Após o final do primeiro dia de desfile do Grupo Especial, a Beija-Flor, atual bicampeã do Carnaval do Rio, está a seis escolas de conquistar mais um título para o município de Nilópolis.

Sem dúvida, a azul e branca da Baixada Fluminense teve a melhor apresentação na Marquês de Sapucaí, neste domingo e madrugada de segunda-feira. Além do destaque que ganhou com a recuperação do intérprete Neguinho da Beija-Flor, a agremiação mostrou fantasias e alegorias super luxuosas e bem acabadas. O ótimo samba-enredo foi cantado por todos os componentes e levou a torcida a soltar o famoso "já ganhou".

Será muito difícil uma escola do segundo dia superar o desfile marcante e histórico da Beija-Flor. Foi surpreendente, comovente e espetacular, mostrando uma criatividade e im poder de execução riquíssimos em seus carros. Independentemente do resultado está de parabéns a diretoria e a comissão de carnaval da azul e branca de Nilópolis pelo trabalho realizado.

Outra apresentação de destaque deste primeiro dia foi a Unidos da Tijuca, que pode muito bem brigar por uma vaga no Desfile das Campeãs, no sábado. A escola do Morro do Borel animou os últimos foliões que ficaram até o final nas arquibancadas do Sambódromo. As alegorias estavam bem criativas e coloridas, mas como eram muitos componentes, a Tijuca teve que correr no fim para evitar perder pontos.

Em razão do tema do enredo, que homenageava a França, e pelo alto investimento feito pela diretoria, a Grande Rio era uma das escolas mais esperadas deste domingo. Entretanto, a tricolor de Duque de Caxias decepcionou um pouco o público presente com pouca criatividade nas alegorias e fantasias. O que salvou foi a empolgação dos componentes, que cantaram o samba até o final do desfile. O intérprete Wantuir e a bateria do mestre Odilon foram os grandes destaques da Grande Rio.

Com um bom enredo sobre o Theatro Municipal do Rio, a Vila Isabel apostou na criatividade da dupla de carnavalescos Alex de Souza e Paulo Barros. Porém, o desfile não empolgou o público da Sapucaí. As alegorias eram recheadas de bailarinos fazendo coreografias, o que não alcança os resultados de anos anteriores. A Vila até que fez uma apresentação com muito samba no pé de seus integrantes, com destaque para a participação do cantor Martinho da Vila. A escola, porém apresentou algumas falhas na evolução durante o desfile em setores estratégicos da Avenida.

Quem abriu o dia do Grupo Especial foi a Império Serrano, que demonstrou claramente a falta de investimento nas fantasias e alegorias. Mas poucas escolas mostrarão a garra da verde e branco de Madureira. A agremiação apostou em um enredo já conhecido e se deu bem. O público adorou a empolgação dos componentes e a batida perfeita da bateria do Mestre Átila. Mesmo assim, a escola deve brigar para permanecer na elite do Carnaval carioca em 2010. Será um verdadeiro título se conseguir.

A grande decepção do dia foi a Mocidade Independente de Padre Miguel. A escola da Zona Oeste já começou seu desfile com um grande problema. O carro abre-alas teve um princípio de incêndio e ainda atropelou o carnavalesco Cláudio Cavalcanti, o Cebola, que nem participou do desfile. Com alegorias pobres e com pouca criatividade, a verde e branco pode ter um resultado inesperado na apuração: o rebaixamento. Somente o casal de mestre-sala e porta-bandeira, a bateria e a harmonia poderão ajudar a escola de Padre Miguel a continuar entre as grandes.