SP: última noite de desfile tem mal-estar, ausência e homenagens

Portal Terra

SÃO PAULO - A desidratação de parte da comissão de frente da Vai-Vai, que ironicamente busca o bi com tema que discute a importância do corpo, a ausência da rainha de bateria da Mocidade Alegre, que preferiu desfilar em um carro alegórico, e diversas homenagens, a pessoas e lugares, marcaram a despedida dos desfiles de Carnaval em São Paulo, na madrugada de sábado para domingo, no Anhembi.

No segundo e último de desfiles, 21.091 pessoas compareceram ao sambódromo - diferentemente de sexta-feira, quando sobraram ingressos e as arquibancadas tiveram a presença de 19.190 pessoas.

Foi dedicado à apresentadora Regina Casé o primeiro samba-enredo da noite, a partir de 22h37. De volta ao grupo especial, a Leandro de Itaquera escolheu-a como representante da periferia brasileira.

- A periferia não deve brilhar só no Carnaval, mas o ano todo - disse Casé, assim que chegou ao sambódromo, acompanhada pela irmã Patrícia.

Antes do início do percurso, no entanto, a escola da Zona Leste da capital paulista teve problema com os carros alegóricos. Prestes a começar o desfile, os destaques ainda não tinham se posicionado. Após muita indefinição com o Corpo de Bombeiros, que auxilia na operação, o impasse foi resolvido.

Em seguida, a Índia foi o tema da narrativa da Pérola Negra, que começou a contagem do percurso a partir de 23h47. No enredo do carnavalesco André Machado, reforçou-se o sonho da escola de ser campeã do grupo especial. Para isso, apostou na beleza da atriz Juliana Alves, que faz a novela Caminho das Índias.

Na Mocidade Alegre, um impasse marcou o início do desfile. A rainha de bateria oficial da escola foi substituída pela pequena Marília, de 11 anos. A veterana Nani Moreira apareceu apenas no final do percurso, em um carro alegórico. Enquanto isso, o atacante Washington, do São Paulo, foi um dos exemplos usados pela agremiação para tratar do tema coração desde 0h58.

Às 2h05, a bela madrinha de bateria Sheila Mello empolgou a Acadêmicos do Tucuruvi na homenagem à história de Ouro Preto, Minas Gerais. Cantada pelo intérprete Fredy Vianna, a letra do samba Ouro Preto - O esplendor barroco de uma Vila Rica, relicário da pátria, patrimônio da humanidade falava do período colonial, da religiosidade e do estilo barroco encontrado principalmente das igrejas do município mineiro.

Uma das mais aguardadas pela torcida, a Gaviões da Fiel entrou na passarela apenas uma hora e nove minutos depois do previsto. Mesmo assim, os fãs fizeram a tradicional festa com bexigas pretas e brancas para receber a agremiação, que homenageou o ex-piloto Ayrton Senna, tricampeão mundial de Fórmula 1 e cuja morte completará 15 anos em maio.

Atual campeã, a Vai-Vai não teve o mais tranqüilo dos desfiles. Além de precisar acelerar o passo no fim para não estourar o limite de 65 minutos, a escola ainda passou pela dificuldade de 13 integrantes da comissão de frente terem passado mal por desidratação. O mal-estar teria sido causado pela fantasia, segundo o Corpo de Bombeiros. Ironicamente, o samba-enredo Mens sana et Corpore Sano - O milênio da superação falava da importância dos cuidados com o corpo.

Para fechar o dia - já estava claro o céu de São Paulo -, a Império de Casa Verde levou à avenida todos os feriados do calendário, destacando especialmente seu aniversário de 15 anos. Um carro alegórico com tigre (símbolo da agremiação) e bolo gigantes, a escola completou o percurso dentro do tempo permitido e resgatou o último gás dos torcedores no Anhembi.

As ressalvas ficaram por conta do casal Belo e Gracyanne Barbosa. Se a dançarina chegou atrasada e quase não integrou a frente da bateria, o cantor não quis conceder entrevistas ao final do desfile e, diante da muvuca que se formou, seguranças tiveram que levar os noivos pela pista interna do Anhembi.

Grupo de acesso

Também neste domingo, desfilam as escolas do grupo de acesso. Ainda estão à disposição 30% dos ingressos.

Confira os horários:

21h - Combinados de Sapopemba

21h50 e 22h - Morro da Casa Verde

22h40 e 23h - Imperador do Ipiranga

23h30 e 0h - Águia de Ouro

0h20 e 1h - Camisa Verde e Branco

1h10 e 2h - Barroca Zona Sul

2h e 3h - Acadêmicos do Tatuapé

2h50 e 4h - Dragões da Real