Nova fase do Galo da Madrugada inclui ações sociais e culturais

Agência Brasil

RECIFE - Pela primeira vez desde a sua fundação, O Galo da Madrugada, maior bloco carnavalesco de Recife, desfilará amanhã na Avenida Sul sem a presença de Enéas Freire, fundador e presidente emérito do bloco, que morreu em junho do ano passado. Sob o comando do novo presidente, Rômulo Meneses, O Galo da Madrugada será mais que uma agremiação da folia de Momo. - O Galo agora é cultural e social - disse ele, em entrevista à Agência Brasil, sobre a nova fase do bloco.

Sob a liderança do conservador Enéas, o Galo sempre se resumiu à folia do carnaval. Agora, o bloco conta com uma sede própria e uma série de projetos sociais e culturais. - Já adotamos a Praça Sergio Loretto [localizada em frente da nova sede da agremiação]. Vamos, junto com a prefeitura, ensinar os adolescentes que ficam ali a cuidar da praça - disse Meneses.

- Nossa idéia é transformar o Galo em uma força que não seja só do carnaval. Também está nos planos da diretoria a criação de um instituto que será batizado com o nome de Enéas Freire, para oferecer cursos de qualificação profissional a pessoas de baixa renda. Queremos ensinar música e costura, por exemplo. Precisamos de músicos de orquestra e costureiras que façam as fantasias para que o carnaval não acabe - afirmou .

Este ano, cerca de 200 pessoas de comunidades pobres vizinhas à sede do Galo desfilarão no bloco. - Elas fazem parte da nossa atividade social que ensina música e dança. Além de uma remuneração, de R$ 40, também ganham autoestima - ressaltou o presidente.

Além das atividades sociais, o bloco pretende ser um centro cultural. - Queremos fazer um polo para que o turista conheça o Galo fora do carnaval. Teremos exposições, fotos - disse. Neste ano, O Galo da Madrugada não está apenas nas ruas do Recife. O site do bloco já está no ar com informações sobre a história do grupo. - É um novo tempo - comenta Meneses.