Dinamite espera ajuda de grandes vascaínos para tirar clube da crise

Márcia Vieira, JB Online

RIO DE JANEIRO - R$ 5 milhões. Este é o valor que separa o Vasco da obtenção das certidões negativas, pendência que ainda impede que o clube assine o tão esperado contrato de patrocínio com a Eletrobrás. Vivendo momento de crise financeira e política, a diretoria deposita as últimas esperanças nesta parceria. Com dificuldades para obter recursos, o presidente Roberto Dinamite espera pela ajuda de vascaínos influentes.

- Nesse momento que o clube passa tantas dificuldades seria importante que os grandes vascaínos participassem de verdade. Esses R$ 5 milhões que a gente precisa para quitar as certidões negativas vão ser muito importantes - afirmou Roberto, que comentou sobre a agonia de ver os funcionários com salários atrasados e não poder fazer nada.

- Durante 20 anos participei da história do Vasco como jogador e convivi com os funcionários. Lamento muito não poder acertar com eles. Mas sei que agente vai resolver isso a curto prazo - declarou.

Sobre a decepção de não ter conseguido recolocar o time nas semifinais, o presidente apenas lamentou, reafirmando que o Vasco agiu corretamente.

- A gente tinha tudo para estar nessa semifinal. Se houve falhas, se existem algumas coisas estranhas no ar, eu entrego tudo na mão de Deus.

O único ponto postivo deste momento difícil é o apoio que o ex-artilheiro vem recebendo de torcedores rivais, em especial muitos tricolores que não concordam com a postura de sua diretoria em interferir no julgamento do caso Jéferson, mesmo com a decisão não interessando mais ao clube das Laranjeiras.

- Muitos torcedores do Fluminense não concordam com a atitude da sua diretoria e eu tenho recebido a solidariedade de vários. A gente já está atravessando um momento difícil, mas eu tenho esperança que, num curto prazo, a gente vai resolver isso. Vou continuar trabalhando e buscar sempre o melhor para o Vasco.