Victor Dzenk carrega no visual argentino, mas agrada pelo glamour

Iesa Rodrigues, JB Online

RIO - Dez anos de moda, e Dzenk continua agradando a quem gosta de uma moda fácil de usar, glamurosa e festiva.

Com as luzes e cores de Buenos Aires reproduzidas nas estampas das sedas, parecia que ia ser mais do mesmo. A estampa digital já havia sido vista em outras coleções do mineiro que já vende em países da Europa e Emirados, graças ao showroom que mantém em Paris.

Os longos com fendas e decotes torcidos ou transparências em preto nas costas eram complementados por meias de renda, sandálias de plataforma de Claudia Mourão e jóias com flores de Bia Figueiredo. Os arranjos e chapéus nem sempre funcionaram, alguns davam um ar antigo ao look. Antigo ou carregado demais, quem sabe, um pouco argentino demais.

Tudo bem, o tango da banda Ultratango lembrava que estava coerente. O panorama mudou com as jaquetinhas de couro sobre chemises e a série em vermelho, com destaque para o longo liso.

Tudo muito arejado, decotado e veranil. Se esfriar, joga-se um ponchito de couro preto ou um over de tricô em forma de flores. Tem estilo, o Victor.