Morales proíbe "espiões" dos EUA de combater tráfico na Bolívia

REUTERS

CHIMORE, BOLÍVIA - O presidente da Bolívia, Evo Morales, acusou de espionagem agentes do Departamento de Combate às Drogas dos Estados Unidos (DEA, na sigla em inglês) e os proibiu, neste sábado, de combater traficantes de cocaína no país até segunda ordem.

- Havia agentes do DEA fazendo espionagem política, financiando grupos criminosos para que pudessem agir contra autoridades, até o presidente, disse Morales.

Morales acusou o DEA de manter laços com grupos anti-governo que realizaram em setembro manifestações violentas em regiões no centro e no leste do país andino governadas pela oposição. Ele disse que as ações das organizações se configuram como "conspiração".

- Esta é uma decisão pessoal. De agora em diante, o DEA não tem permissão para agir no país até segunda ordem, acrescentou Morales, que chegou perto de expulsar agentes do DEA.

Morales já havia proibido sobrevôos da agência no país.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais