Comício de Marinho com Lula reúne 10 mil, em São Bernardo do Campo

Portal Terra

SÃO PAULO - O candidato à prefeitura de São Bernardo do Campo, na região do Grande ABC, em São Paulo, Luiz Marinho (PT) contou com a presença do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em seu comício realizado neste domingo. A assessoria do candidato informou que a estimativa é que dez mil pessoas participaram do evento. Marinho disputa o segundo turno com Orlando Morando (PSDB).

Durante o comício, Lula disse que percebeu que Luiz Marinho enfrenta ataques do adversário e que seu vice, Frank Aguiar, sofre com o preconceito. - Eles pensam que a população não percebe isso. A população tem percebido e isso vai ser importante para a vitória do Marinho. Frank não tem que se preocupar com o preconceito. As pessoas têm inveja. Você veio para morar numa pensão e tem sucesso na vida artística - afirmou Lula. - Já que descriminam nordestinos e forró, que não peçam votos para eles. Nós estamos do lado do povo que tem esperança de um São Bernardo melhor - complementou Frank Aguiar.

Lula disse que foi para São Bernardo não apenas com um compromisso com Marinho, mas com o municipio. - É mais do que um compromisso para eleger um companheiro, é compromisso com a minha cidade - reforçou. O presidente da República contou que em 2011 vai estar em São Bernardo para cobrar as ações de Marinho, pois vai morar lá. Ele acrescentou: - nestes dois últimos anos, Marinho vai ter que escrever e encaminhar os projetos como para PAC e saúde. O Brasil tem como investir nisso, quem está falando é o presidente da Republica, mas para isso acontecer tem que ser encaminhados os projetos.

Com relação à campanha, o presidente disse aos militantes que a disputa não está ganha, pois isso será somente a partir do dia 26. Lula pediu para eles irem para as ruas com as bandeiras e fiscalizarem no dia da eleição.

Crise americana

A crise financeira americana também foi abordada por Lula em seu discurso. - Tem gente que está torcendo para que a crise chegue no Brasil. - O Brasil já passou por três crises e quebrou. Essas três crises custou um rombo de R$ 200 bilhões, e nesta crise, que já passou mais de U$ 3 trilhões de dólares, o Brasil não vai quebrar. Nos economizamos muito, e hoje, temos dinheiro para garantir o crédito. Não vamos parar nenhuma obra - observou.

O presidente da República explicou que para enfrentar a crise de crédito, será fortalecido o mercado interno. - A crise pode chegar forte no Brasil se diminuir a exportação, por isso temos que fomentar o mercado interno. A economia está estável no Brasil e a inflação controlada. Esta crise é dos países ricos. Estamos com lupa. Nunca conversei tanto com os meus ministros para não deixar a crise chegar no Brasil - finalizou.