Paes faz corpo-a-corpo em Madureira

JB Online

RIO - O candidato Eduardo Paes, da coligação Unidos Pelo Rio (PMDB-PP-PSL-PTB), voltou a caminhar nesta quarta-feira no centro comercial de Madureira. A exemplo das outras visitas que fez ao bairro, o peemedebista comprovou o imenso carinho da população a ponto de uma onda azul tomar conta das calçadas da Estrada do Portela. Homens, mulheres e crianças chegavam a fazer fila para conversar com o candidato, declarando que vão votar 15 no próximo domingo. Eduardo Paes reafirmou seu compromisso com o bairro para que Madureira possa sorrir o ano inteiro.

- Madureira é uma área importante da cidade que está abandonada, está mal cuidada como muitas outras pelo Rio. É preciso avançar na manutenção dessas áreas. Afinal, o prefeito precisa ter aquele papel de síndico, de cuidar do buraco na rua, trabalhar na manutenção da praça e manter a iluminação dos espaços públicos. A população daqui também receberá maior atenção na área de saúde, com a construção de uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) 24 horas no bairro.

Entre os muitos eleitores que o abordaram, Eduardo Paes ouviu do músico Paulo César Adão, de 28 anos, um rap que dizia: "Eu sou MC Adão/E agora vou dizer/ É Eduardo Paes/ E 15 para vencer/ Trazendo a solução/ Trabalhando de verdade/ É Eduardo Paes, é 15/ Por amor à cidade".

- Eu e todos lá em casa vamos votar em você - disse o músico depois de cantar para o candidato.

Eduardo Paes estranhou a mais nova proposta orçamentária, de R$ 10,2 bilhões, apresentada pelo atual prefeito. Os gastos com pessoal foram elevados a 51,09%.

- Esse orçamento que ele apresentou agora é diferente daquele que ele apresentou planilhado há dez dias. Eu pedi para o pessoal técnico da campanha fazer uma análise- argumentou o candidato, acrescentando que em função da campanha estar na reta final ele não pôde avaliar a proposta com calma.

Eduardo Paes descartou a hipótese de que o atual prefeito esteja investindo naquilo que se costuma chamar de política de terra arrasada (uma armadilha para o sucessor).

- Um mínimo de responsabilidade deve se exigir neste momento.

O candidato, no entanto, frisou que a questão do orçamento não vai ser votada agora pela Câmara Municipal, mas em dezembro.

- Haverá tempo suficiente para o prefeito eleito conversar com os vereadores ainda dessa legislatura sobre o orçamento do próximo ano. Portanto, essa não é uma questão que me preocupa. Se chegarmos a vitória, eu tenho certeza de que teremos o mês de novembro inteiro para conversar com a Câmara e já de alguma maneira tentar interferir naquilo que são as prioridades do próximo prefeito para o ano que vem - destacou.

Ao comentar a nova rodada da pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira, o candidato mostrou-se satisfeito com o fato de manter-se isolado na liderança.

- Eu tenho sempre avaliado as pesquisas com muito otimismo. Me colocam mais uma vez na liderança. Fico feliz que elas me coloquem em primeiro lugar, independente do instituto que seja. Vamos continuar trabalhando, com muita humildade, até as cinco horas do próximo dia 5.

Perguntado sobre o voto útil, Eduardo Paes advertiu que as pessoas têm que votar em quem elas acreditam.

- Eu tenho buscado me apresentar à população dessa maneira, percorrendo a cidade, discutindo seus problemas e soluções com a população. O cidadão deve ter o direito de escolher da maneira que ele entender melhor.

A discussão sobre alianças visando a disputa do segundo foi descartada pelo candidato.

- Sobre segundo turno a gente não vai tratar porque precisamos tratar da eleição do dia 5 de outubro, que é a eleição que eu estou disputando.