Candidato aparece algemado na TV em Maceió

Portal Terra

MACEIÓ - Com 286 candidatos disputando 21 vagas na Câmara Municipal de Maceió, não faltam candidatos que, para chamar a atenção do eleitor, recorrem aos mais diversos artifícios. É o caso do analista de sistemas Devis Klinger da Silva Menezes (PTdoB), que se apresenta com o pseudônimo 'Cadeia Neles'. Vestindo um terno preto, com as mãos algemadas e um capuz na cabeça, como se fosse um político criminoso, o candidato a vereador pede voto reportando-se à Operação Taturana, realizada pela Polícia Federal em dezembro passado e que resultou no indiciamento de deputados estaduais acusados de desviar mais de R$ 200 milhões dos cofres da Assembléia Legislativa de Alagoas.

E os casos inusitados não se resumem ao do candidato algemado. Outro que chama a atenção é José Severino de Andrade, o Jota Andrade (PTB), que 'ameaça' o eleitor, em caso de voto inconsciente, com uma chibata.

Tem até candidato com a alcunha de 'Abacate', sugerindo que "atirem a fruta", como forma de repúdio, contra os candidatos com "ficha suja" - que respondem a processo - apesar do Supremo Tribunal Federal (STF) ter superado a discussão ao determinar o deferimento de todas as candidaturas nesta situação, salvo os casos em que a condenação já transitou em julgado.

Bizarrices à parte, a propaganda eleitoral gratuita em Maceió traz também a polêmica entre dois candidatos a prefeito. A candidata Solange Jurema (PSDB) cita um CD, de autoria do atual prefeito, Cícero Almeida (PP), onde o candidato à reeleição desrespeitaria as mulheres em uma música cuja letra diz: - Quero vender uma locadora de mulher, que tem mulher do jeito que você quiser.

Para a candidata, Almeida exaltaria a prostituição infantil em um trecho, a música fala em 'pitéuzinho', que seria uma criança.

Em resposta, Almeida - que até já se apresentou em conhecido programa de auditório na TV e ficou conhecido como o prefeito forrozeiro - respondeu à crítica também no horário político. Para ele, tudo não passa de 'conversa fiada, na tentativa de desestabilizar o adversário'.

O candidato Judson Cabral (PT) continua a chamar o prefeito ao debate, alegando querer saber onde foram investidos R$ 2,5 milhões arrecadados, segundo ele, nos três anos e meio de gestão de Cícero Almeida.

Já o candidato Mário Agra (Psol) voltou suas atenções à necessidade de investimento em saneamento, citando o exemplo da cidade paulista de Araraquara, onde o poder público teria conseguido despoluir um riacho semelhante ao Salgadinho, situado em Maceió e há muito tempo poluído. Segundo ele, a cada real investido, economizou-se cionco em saúde.

O candidato Manoel de Assis (PSTU), por sua vez, não exibiu programa na TV, na última quarta-feira.