Jade aposta em brinco da sorte para conquistar medalha

JB Online

TÓQUIO - Principal nome da ginástica artística feminina brasileira, Jade Barbosa disputa em Pequim a primeira Olimpíada de sua curta e gloriosa carreira. Para não decepcionar, a carioca é uma das mais dedicadas nos treinamentos da equipe no Tsukahara Center, em Tóquio.

Na China, Jade é uma das favoritas ao pódio em duas provas: o solo e o salto sobre o cavalo, além do individual geral. Em entrevista exclusiva ao Terra, a atleta falou sobre a preparação no Japão e contou ainda que tem uma superstição que pode ajudá-la a voltar ao Brasil com a medalha no peito.

Bronze no último Mundial de ginástica, no individual geral, Jade Barbosa ofuscou nos últimos anos as experientes e famosas Daiane dos Santos e Daniele Hypólito.

Em 2007 pôde, pela primeira vez, disputar em etapas da Copa do Mundo de ginástica na categoria adulta. Na estréia, em Paris, na França, foi a duas finais (salto e barras assimétricas), mas sem conquistar nenhuma medalha.

Já em Cottbus, na Alemanha, chegou nas finais no solo, na trave e no salto, conquistando neste último a medalha de prata.

Na seqüência, nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, com apenas 16 anos a ginasta conquistou a medalha de ouro no salto, a prata por equipes e o bronze no solo.

Essa atuação lhe rendeu no fim do ano o prêmio "Brasil Olímpico", oferecido pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) aos atletas que se destacam ao longo da temporada.

Para ficar com essa honraria, Jade superou Marta, jogadora de futebol, vice-campeã do mundo com a Seleção Brasileira, e Fabiana Murer, que detém o recorde sul-americano do salto com vara.

Em Pequim, Jade chega para sua primeira Olimpíada sendo o centro dos holofotes, como Daiane, em Atenas 2004, quando chegou como favorita ao ouro no solo.

Veja a entrevista na íntegra:

É a sua primeira Olimpíada. Como está a sua expectativa e a preparação da equipe brasileira para Pequim?

Aqui no Japão a gente tem uma noção de como é a equipe estar toda junta. Os treinos agora começam a ficar mais certos. Já é um passo a mais que estamos dando. Por enquanto está tudo bem.

Chegou a hora de a ginástica brasileira ganhar a primeira medalha olímpica?

A gente trabalha bastante para isso acontecer, mas não depende só da gente. Podemos fazer nosso trabalho, mas as outras equipes também estão bem.

Você acha que este é o melhor momento da ginástica brasileira?

Eu acho que é um dos melhores momentos, a gente evoluiu bastante e esperamos continuar assim.

Como está sendo o período de adaptação no Japão?

Aqui é muito bom, o ginásio é bom e não temos o que reclamar. Só que é meio complicado ainda o fuso horário. Tudo muda, né? São 12 horas de diferença.

Você se adaptou à comida japonesa?

Eu gosto da comida daqui, graças a Deus. Vou ficar aqui duas semanas e não gostar da comida é ruim, né?

Você tem alguma superstição que costuma fazer antes das competições?

Sempre rezo bastante e sempre uso o mesmo brinco. Sempre o mesmo brinco para treinar e o mesmo brinco para competir, gosto disso.