Equipe americana de atletismo leva ex-dopados aos Jogos de Pequim

Agência AFP

INDIANÁPOLIS - O atual campeão olímpico dos 100 metros, Justin Gatlin, não conseguiu nos tribunais seu bilhete para Pequim, mas outros atletas flagrados nos exames antidoping foram convocados para a seleção de atletismo dos Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008.

O velocista, que está suspenso até julho de 2010, ao ser sancionado por quatro anos depois de ser flagrado em um segundo exame antidoping em 2006, perdeu assim toda esperança de manter seu título nos jogos chineses.

Em contrapartida, outros atletas que tinham sido sancionados por doping no passado conseguiram suas vagas para Pequim ao participar do campeonato nacional em Eugene (Oregón).

Na relação de 126 atletas da equipe olímpica americana, nomes como Kenta Bell, Damu Cherry e Torri Edwards estão maculados pelo doping.

No ano passado, durante os campeonatos nacionais, o especialista em salto triplo Kenta Bell foi apanhando com 'metrilprednisolona', mas foi suspenso apenas por três meses. Levou-se em conta que lhe tinham prescrito um medicamento que continha esteróide, apesar de não ter autorização da Agência Mundial Antidoping (AMA) para seu uso, um requisito obrigatório de acordo com o regulamento da citada agência.

Damu Cherry, segundo nos 100 metros com obstáculos em Eugene, foi afastado da equipe americana 2003 e 2005 por ter ingerido 'nandrolona', apesar de assegurar que a substância estava em umas vitaminas que tomava.

Por sua vez, a campeã mundial de 2003 nos 100 metros, Torri Edwards, está voltando aos Jogos Olímpicos depois de ter sido afastada dos de Atenas em 2004. Correrá os 100 metros e o revezamento 4x100 em Pequim.

Edwards tinha sido apanhada com um estimulante em abril de 2004, durante um meeting em Fort-de-France, e tampouco pôde participar dos Jogos de Helsinque em 2005 para defender seu título.

Mas a equipe olímpica americana não será a única a incluir atletas que tenham sido apanhados nos exames antidoping.

A ucraniana Lyudmila Blonska, suspensa por dois anos por ter sido flagrada com um esteróide anabolizante em 2003, tentará confirmar na capital chinesa sua volta ao primeiro nível, um ano depois de ganhar a medalha de prata no Mundial de Osaka-2007.

O britânico Dwain Chambers protagonizou um dos casos mais comentados, até o ponto de apresentar um recurso à Justiça para poder estar em Pequim-2008, mas foi rechaçado pelo Tribunal Supremo de seu país.

Chambers deu positivo por THG em 2003 e por isso foi suspenso por dois anos.

Apesar de garantir o melhor tempo nos 100 metros durante a seletiva britânica, o Comitê Olímpico Britânico (BOA) vetou sua convocação em função de uma de suas normas, que impede que um atleta punido por doping possa integrar a delegação olímpica do país.