Joanna Maranhão diz ser difícil repetir final de Atenas

Portal Terra

BRASÍLIA - A nadadora Joanna Maranhão afirmou nesta sexta-feira, durante a despedida dos atletas que disputarão os Jogos Olímpicos de Pequim, que dificilmente conseguirá repetir a final individual de Atenas, em 2004, quando, aos 17 anos, se destacou por conseguir índice para disputar a prova.

Desde aquela Olimpíada, a nadadora pernambucana enfrentou problemas e caiu de rendimento. Em fevereiro, disse publicamente ter sido abusada sexualmente por um treinador quando tinha nove anos de idade.

- Lá (em Atenas), apesar de eu ter apenas 17 anos, foi uma grande surpresa para mim. Infelizmente depois disso eu não consegui evoluir. Na minha atual condição eu tenho corrido atrás do tempo perdido. As meninas evoluíram a nível mundial, e eu não. Na minha atual condição, melhorar as minhas marcas já seria uma grande coisa - disse.

- Final para mim hoje seria um ótimo resultado, mas não é pensando nisso que eu vou (para Pequim). Melhorar meu desempenho pessoal é o que eu venho lutando nos últimos tempos, vencer a mim mesmo e depois pensar em vencer as outras - comentou a atleta.

Segundo ela, o espírito olímpico pode motivá-la a nadar melhor, já que não sente pressão por estar disputando os Jogos.

- Chega lá a pessoa cresce, por ter todo esse espírito olímpico, todo aquele momento especial. Não tenho medo desse evento. Tem vários atletas que, quando chegam, travam. Eu não sinto isso. Eu não estou ansiosa. Quando chegar lá tenho certeza que vou entrar nesse espírito e nadar bem - disse.

- Se eu nadar melhor que eu estou imaginando que eu posso, eu posso brigar por uma final - afirmou Joanna.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais