Mosley foi "além do tolerável", segundo Stewart

Agência AFP

PARIS - O ex-piloto e tricampeão mundial de Fórmula 1, Jackie Stewart disse nesta segunda-feira, à BBC, que o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, foi "além do tolerável" para as empresas que patrocinam os campeonato de automobilismo, ao comentar seu envolvimento em um escândalo sexual com conotações nazistas.

As relações entre Stewart e Mosley não são boas, pois há um ano o presidente da FIA chamou o escocês de "idiota certificado". "Nestas circunstâncias, é difícil imaginar como poderia continuar (no cargo)", disse o ex-piloto.

A FIA convocou uma assembléia geral extraordinária para o dia 3 de junho, em Paris, para debater a situação de Mosley, após a divulgação pelo tablóide News of the World de um vídeo no qual aparecia em uma orgia sexual sadomasoquista com cinco mulheres, algumas delas com uniformes de prisioneiras.

Max Mosley defendeu seu direito a uma vida sexual "excêntrica", e negou qualquer conotação nazista na orgia, como acusa a imprensa britânica.