FIA cria comitê para distribuir parte da multa imposta à McLaren

Agência EFE

MADRI - O Conselho Mundial da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou nesta quarta-feira, em Paris, a criação de um comitê para distribuir US$ 60 milhões dos US$ 100 da multa imposta em 2007 à escuderia McLaren pelo caso de espionagem à Ferrari.

Tal comitê, do qual fazem parte o inglês Max Mosley, presidente da FIA, e o ex-piloto alemão Michael Schumacher, sete vezes campeão mundial de Fórmula 1, estará encarregado de determinar a divisão da quantia em atividades por todo o mundo.

Também fazem parte do recém-criado órgão Nick Craw, presidente do Comitê de Competição da FIA para os Estados Unidos - que representará as federações nacionais -, e dois membros da Ferrari e da McLaren, Jean Todt e Norbert Haug, respectivamente.

A McLaren foi multada em 13 de setembro de 2007 pelo Conselho Mundial da FIA em US$ 100 milhões e punida com a perda de todos os pontos do Mundial de Construtores do ano passado.

Os então três pilotos da escuderia - os espanhóis Fernando Alonso e Pedro de la Rosa, além do inglês Lewis Hamilton - escaparam de qualquer punição por terem colaborado com a FIA na investigação.