Tem pagode no Maru da Porto da Pedra

Angélica Paulo, JB Online

RIO - De acordo com o dicionário, pagode é o termo geral dado às torres aparentemente sobrepostas com múltiplas beiradas, comuns na China, no Japão, nas Coréias, no Nepal, e em outras partes da Ásia. No Brasil, o termo é mais utilizado para denominar reuniões festivas, sempre íntimas, onde se come, se bebe, se canta, se dança, ou o ritmo musical. Mas a origem asiática, no final das contas, é a mesma para todos os significados. E é justamente essa relação que a Porto da Pedra pretende mostrar em seu desfile na Marquês de Sapucaí.

Defendendo o enredo Tem Pagode no Maru: 100 anos de imigração japonesa , a vermelho-e-branca de São Gonçalo pretende mostrar na avenida a importância da cultura japonesa no país. Segundo o carnavalesco Mario Borrielo, responsável pelo carnaval da escola, toda a importância histórica e cultural da Terra do Sol Nascente será mostrada utilizando-se a metalinguagem.

- O desfile da Porto da Pedra será um grande teatro kabuki (tradicional teatro japonês, onde somente os homens interpretam). Assim que o desfile começar, as cortinas se abrirão e o público conhecerá a história dos imigrantes japoneses, desde que saíram do Japão, até os dias de hoje contou.

Para isso, Borrielo pretende contar uma história de forma linear. Segundo ele, a cultura japonesa, tão hermética e disciplinada, ganha cores e elementos tipicamente brasileiros, fazendo com que a união entre Oriente e Ocidente tenha o tom do carnaval carioca.

A primeira parte do desfile mostra a cerimônia Hana-matsuri, também conhecida como festival das flores, onde a principal figura é o tigre, símbolo da escola, que vem representando o horóscopo chinês, onde é conhecido como torá.

Em seguida, na segunda alegoria, é retratada a saída do navio Kasatu Maru do Japão, com 165 famílias que vinham trabalhar nos cafezais do Oeste paulista. Toda a tradição japonesa, com suas cores e formas mais representativas, como as cerejeiras tão tradicionais no país, foram retratadas pelo carnavalesco.

A terceira ala traz os bonecos da sorte, comuns na cultura do Japão, além da comemoração da colheita bem-sucedida, já em terras brasileiras.

- Nesse período, o japonês já é dono de sua própria terra e já se encontra fora das lavouras de café esclareceu Borrielo, frisando que utilizou materiais típicos do Japão, como o bambu.

O enredo passeia ainda pelo bairro da Liberdade, reduto da comunidade japonesa em São Paulo. A culinária nipônica se faz presente em alegorias que trazem os tradicionais barcos de sushi, já agregados à cultura brasileira e altamente consumido pelos cariocas. O carnavalesco conta que, por causa desse sucesso, alguns funcionários tentaram comer um pedaço da alegoria, pensando que era de verdade.

Para retratar os mangas e animes, os famosos quadrinhos e desenhos japoneses tão populares no país, Mario explicou que teve que fazer um curso, para entender o que significavam e como as histórias eram contadas.

- É um universo totalmente novo, dominado pelos mais jovens. Tive que me atualizar finalizou o carnavalesco.

Rainha da bateria fará plástica para esticar os olhos

Ocupando pela segunda vez o posto de rainha da bateria da Porto da Pedra, ngela Bismarck, que representará a personagem Madame Buterfly à frente dos ritmistas da escola, quer mostrar que faz tudo pela escola. Para isso, uma semana antes do desfile, vai fazer, mais uma vez, o que a tornou famosa: uma cirurgia plástica para esticar os olhos.

- O enredo pede olhos puxados, então a cirurgia já está marcada contou ngela.

Em meio a uma verdadeira maratona de entrevistas para jornais e programas de TV, a estudante de moda, como faz questão frisar, parte para sua 49ª cirurgia. Tudo, segundo costuma dizer, pela escola.

Além da plástica nos olhos, ngela conta que não descuida da malhação, além de fazer questão de tomar sol todos os dias e manter uma alimentação equilibrada. Às quartas-feiras, dedica-se ao ensaio, com a bateria, da coreografia que será apresentada na avenida.

- A coreografia é outra surpresa que pretendo mostrar somente na avenida contou.

Se em 2007 sua fantasia destacou-se por apresentar três mil cristais swarovski, neste ano a empresária pretende levar nada mais, nada menos que cinco mil. Toda a preparação exigiu intensa pesquisa da cultura japonesa.

- Vi muitos filmes e pesquisei bastante na internet para me preparar bem e representar uma verdadeira gueixa na avenida finalizou.