Elisa Carrió finalmente admite derrota

A candidata da Coalizão Cívica, de centro-esquerda, Elisa María Avelina Carrió, finalmente admitiu sua derrota na disputa presidencial argentina. Ela era a segunda colocada nas intenções de voto dos argentinos e apostava em um segundo turno nas eleições.

Logo após Cristina Kirchner proclamar-se vencedora, na noite deste domingo, Carrió negou-se a admitir a derrota, dizendo que ainda era cedo demais para afirmar alguma coisa. No entanto, nas primeiras horas desta segunda-feira, com mais de 50% das mesas apuradas, a adversária da primeira-dama se rendeu e reconheceu que não tinha mais chances de ser eleita.

"A Coalizão Cívica firmou-se como a segunda força política do país", ressaltou, anunciando seus planos para o futuro. "Vou me dedicar a fortalecer ainda mais a coalizão para fazer o próximo presidente, daqui a quatro anos", disse.

O primeiro candidato a reconhecer a vitória de Cristina Kirchner foi Jorge Sobisch, do Movimento Províncias Unidas, de direita. O governador da província de Neuquén (sudoeste) teve menos de 2% dos votos na apuração concluída até as 3h (horário de Brasília).