Cristina Kirchner se proclama vencedora

A senadora e primeira-dama Cristina Fernández de Kirchner, da Frente para a Vitória, disse ontem que venceu "amplamente" as eleições presidenciais da Argentina e convocou toda a sociedade, em especial as mulheres, a aprofundar as mudanças obtidas no país pelo Governo de seu esposo, Néstor Kirchner.

Acompanhada pelo chefe de Estado e por Julio Cobos, o candidato a vice em sua chapa, Cristina disse que tem "uma dupla responsabilidade" após ser escolhida presidente, segundo dados oficiais provisórios. "Tenho uma dupla responsabilidade, como presidente e como mulher", afirmou, diante da ovação das centenas de mulheres que a aclamaram em um hotel de Buenos Aires.

Cristina pode ser a segunda mulher a assumir a Presidência da Argentina, após María Estela Martínez de Perón, que em 1974 era primeira-dama e vice-presidente e chegou ao poder após a morte de seu marido, Juan Domingo Perón. "Convoco minhas irmãs de gênero, donas de casa, mulheres empresárias e profissionais, operárias das fábricas, estudantes das universidades", sustentou. "Sei que podemos desenvolver uma grande tarefa por nossas aptidões especiais, por termos sido cidadãs do privado e do público, por termos articulado o mundo da família e da militância. E por termos feito bem as duas coisas", apontou.

Após assegurar que tem a "maior honra que pode ser conferida a um cidadão", defendeu a concertação plural impulsionada por Kirchner em 2005 por considerá-la "um espaço que foi construído superando as velhas contradições, experiências de frustração e de autodestruição". Também destacou a gestão do presidente, a quem considerou, "com seus acertos e erros", um homem "comprometido com seu país e com seu povo".

A primeira-dama, de 54 anos, insistiu em que é "necessário aprofundar as mudanças" que aconteceram no país nos últimos quatro anos e meio. Ao término de seu discurso, Cristina foi saudada ao pé do palco pela ex-candidata socialista à Presidência da França Ségolène Royal.