Hyundai vê sinais de recuperação na Ásia

As ações das empresas sul-coreanas tiveram um aumento depois da divulgação pela mídia que os líderes das Coréias teriam concordado em se reunir em Pyongyang no fim de agosto.

As ações da Hyundai Marchant Marine cresceram 11% para 52,400 won, enquanto as ações da Hyundai Engineering & Construction saltaram 5,29% para 83,600 won. A maior cotação havia sido de 1,16%

Os líderes das Coréia do Norte e Coréia do Sul farão uma reunião entre os dias 28 e 30 de agosto na capital do norte Pyogyang. Tecnicamente, ambos ainda estão em guerra e esta será a segunda tentativa para um acordo.

A Hyundai Merchant Marine opera pacotes de viagem para a Coréia do Norte, enquanto a Hyundai Engineering está envolvida em projetos de construção na Coréia do Sul e fundou o complexo industrial de Kaesong, em território norte-coreano.

No fim do mês passado o diretor da Hyundai Motor, Chung Mong-Koo, instruiu os executivos regionais a se esforçarem para aumentar as vendas, alegando que a montadora estava vivendo um período crítico.

Em comunicado a todas as filiais e concessionários, Chung afirmou que a Hyundai estaria enfrentando diversos desafios com o aumento do preço dos combustíveis, o iene fraco em relação ao dólar e a crescente indústria automotiva chinesa.

A companhia, junto com sua afiliada Kia Motors, pretende se tornar uma das cinco marcas mais vendidas até 2010. A montadora está construindo diversas plantas fora da Ásia e tomando diversas precauções para evitar perder mercado para marcas estrangeiras.

No primeiro trimestre deste ano, a empresa divulgou que os lucros caíram 10,2% em relação ao ano anterior devido às greves.

A Hyundai atingiu recentemente a marca de mais de 5 milhões de veículos vendidos. Durante mais de duas décadas, desde que entrou no mercado americano, a companhia sul-coreana recuperou a fraca imagem inicial totalmente alcançando vendas recordes dos modelos Sonata Sedan e Santa Fe, nos Estados Unidos. A marca levou a marca ao ranking das seis maiores do mundo e a tornou a maior da Coréia do Sul.

As razões para comemorar são limitadas porque a Hyundai vendeu mais veículos do que ela estava preparada para oferecer serviços especializados adequados. O fato levou a empresa a se tornar motivo de chacota de vários apresentadores norte-americanos como David Letterman. Em junho deste ano, a companhia tinha 3,4% de participação de mercado nos EUA.

A Hyundai construiu uma nova planta em Anápolis (GO) que foi inaugurada em abril deste ano. O cronograma prevê a fabricação de caminhões e carros de passeio.

A Coréia do Norte vem sendo alvo das atenções desde que se recusou a interromper atividades nucleares em Pyongyang. Em 20 de julho, as negociações sobre o programa nuclear norte-coreano foram concluídas em Pequim, sem que um calendário para as próximas etapas da desnuclearização na Coréia do Norte tenha sido estabelecido.

Apesar disso, a Coréia do Norte " reiterou que cumprirá sua promessa de fornecer uma lista completa de todos os seus programas nucleares e de desativar todas as suas instalações nucleares", divulgou o Ministério chinês das Relações Exteriores em comunicado.

Antes de deixar a capital chinesa, o enviado norte-americano Christopher Hill afirmou que "tudo era possível antes do final do ano", embora tenha destacado que esses três dias representaram a reunião "mais produtiva de todo o processo de negociações entre os seis países", referindo-se às duas Coréias, Rússia, Estados Unidos, Japão e China, países que participam das reuniões sobre o assunto.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais