Petroecuador contamina a amazônia, diz Texaco

A companhia norte-americana Chevron-Texaco acusou ontem a estatal Petroecuador de "negligência ambiental", por provocar 882 derramentos de petróleo na região da amazônia equatoriana nos últimos seis anos.

Em comunicado, a Chevron-Texaco ressaltou que a Petroecuador "tem sido a operadora exclusiva dos campos de petróleo (na Amazônia) durante mais de 17 anos, e que a estatal equatoriana possui um histórico de negligência ambiental". A declaração destaca ainda que "a negligência foi até reconhecida pelo próprio governo equatoriano".

A situação na amazônia equatoriana "é conseqüência evidente da operação da Petroequador (que) ... ignorou suas obrigações legais e contratuais", enfatizou o documento.

Segundo a Chevron-Texaco, foram registrados 882 derramamentos de petróleo na amazônia equatoriana entre 2000 e 2006. A petrolífera ressalta que se trata de uma realidade que foi ignorada pelo governo do Equador.

As acusações da gigante petrolífera Chevron-Texaco ocorrem ao mesmo tempo em que a companhia enfrenta um julgamento no Lago Agrio, a 180 quilômetros ao leste de Quito.

A norte-americana é acusada de não cumprir com a limpeza de um derramamento que resultou em bilhões de litros de água contaminada e por desperdiçar tóxicos derivados da sua atividade petrolífera no Equador, entre 1972 a 1990, quando abandonou o país por fim de contrato.