Brasil e Índia poderão fabricar genéricos

A Índia e o Brasil poderão fabricar medicamentos genéricos a partir da transferência de tecnologia de instituições de pesquisa a indústrias binacionais. 'É uma possibilidade muito concreta', afirmou o assessor de Relações Internacionais da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Paulo de Góes Filho, em entrevista à Agência Brasil. A academia assessora o governo federal na implementação de ações acordadas entre Brasil e Índia na área científico-tecnológica.

Na 3ª reunião do Conselho Científico Brasil-Índia, realizada na semana passada, os dois países incluíram entre as áreas prioritárias para cooperação, a troca de experiências no que se refere à transferência, para a indústria, da tecnologia desenvolvida pelas instituições de pesquisa e universidades. 'Essa parceria entre universidades e empresas é um problema muito sério no Brasil e, aparentemente, os indianos estão sendo muito bem-sucedidos nessa área', diz o pesquisador.

É aí que entra a possibilidade de joint-ventures para produção de medicamentos. 'Nessa questão de estabelecer mecanismos de cooperação que envolvam empresas, existe uma dimensão de avaliação destas alternativas que são fundamentais para redução de custos na área de medicamentos', confirma. Independentemente desse tipo de parceria, Brasil e Índia podem fechar algum acordo na área farmacêutica nos próximos dias, durante visita de Estado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula da Silva chegou a Nova Delhi às 8h30 deste domingo (3) - meia noite de ontem (2) pelo horário de Brasília. Ele fica até terça-feira (5) na capital indiana.

As informações são da Agência Brasil.