Bird defende ações na AL contra informalidade

Os representantes do Banco Mundial (Bird) no Brasil e na América Latina defenderam uma agenda de reformas de longo prazo para enfrentar a informalidade do mercado de trabalho na região. As ações seriam focadas nas áreas previdenciária, trabalhista e fiscal, além de investimentos em capital humano. As propostas foram feitas durante seminário, em Brasília, na última quarta-feira.

Segundo o colombiano Guillermo Perry, economista-chefe do Bird para a América Latina e o Caribe, alguns benefícios universais garantidos pelos sistemas de seguridade social dos países latino-americanos, embora positivos para o combate à pobreza, poderiam estar inibindo muitos trabalhadores e microempresários a buscarem a formalização.

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que esteve presente na abertura do seminário, reiterou sua posição contrária às reformas previdenciária e trabalhista. Ele defende a via da qualificação da mão-de-obra e a desoneração da folha de pagamento para enfrentar a informalidade.