Papa Bento XVI já está no Brasil

Agência JB

SÃO PAULO - O papa Bento XVI chegou nesta quarta-feira a São Paulo para uma visita pastoral de cinco dias ao Brasil, a primeira que faz a um país da América Latina. O avião em que o papa viajou, um Boeing 777 da Alitalia, aterrissou no aeroporto internacional de Guarulhos às 16h02, quase meia hora antes do previsto.

Bento XVI saiu pela porta dianteira do avião e desceu as escadas para ser recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeira-dama Marisa Letícia.

O presidente e o pontífice, a cujo lado se encontrava o secretário de Estado da Santa Sé, cardeal Tarcisio Bertone, se cumprimentaram com um gesto afetuoso.

Após a saudação, a comitiva se dirigiu ao hangar onde foi realizada uma cerimônia de boas-vindas. Em seu discurso de boas-vindas ao papa Bento XVI, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que sentiu-se duplamente honrado com a visita, tanto como cristão quanto como presidente. - Nosso país o recebe de braços abertos porque espera muito de sua liderança espiritual e moral - disse. Segundo Lula, a presença da Igreja Católica é fundamental na vida brasileira, contribuindo para "a elevação espiritual, social e moral do nosso povo". Para o presidente, a Igreja tem como referência primordial a família, assim como o povo brasiliero. - Compartilhamos a preocupação de resgatar e restaurar a vida familiar - disse. Lula afirmou que seu empenho em combater as causas da desagregação do núcleo familiar serão maiores.

- O avanço da sociedade passa necessariamente pela revitalização dos laços familiares, do papel ético e educativo da família.

O presidente destacou ainda a cooperação em âmbito internacional, na ação global contra a fome e a pobreza. Lula falou também sobre as iniciativa de valorização da juventude e da educação. - Prioridades como essa, que marcam o governo brasileiro, são caras a Vossa Santidade - disse o presidente. Ele finalizou agradecendo a presença de Bento XVI: "sua visita ao Brasil é, para todos nós, uma benção".

Em sua primeira mensagem em território brasileiro, nesta quarta-feira, o papa Bento XVI reafirmou o direito à vida - uma suposta crítica ao aborto e a eutanásia. Ele defendeu ainda o fortalecimento da identidade da Igreja Católica na região pela preservação de valores "radicalmente cristãos".

- Estou certo que em Aparecida, durante a Conferência Geral do Episcopado, será reforçada tal identidade, ao promover o respeito pela vida, desde a sua concepção até o seu natural declínio, como exigência própria da natureza humana; fará também da promoção da pessoa humana o eixo da solidariedade, especialmente com os pobres e desamparados - disse o pontífice.

No discurso, escrito originalmente em português e fornecido pelo Vaticano antes de sua chegada, o papa disse que essa primeira viagem à América Latina, tem um caráter "essencialmente religioso", e seu objetivo é estimular a ação missionária no continente.

O aborto tem alimentado polêmica no Brasil e em outros países católicos, como México e Portugal, que recentemente legalizaram o aborto. Ao mesmo tempo, ressaltou o necessário cuidado com os pobres.

- Sei que a alma deste povo (brasileiro), bem como de toda a América Latina, conserva valores radicalmente cristãos que jamais serão cancelados - afirmou o papa.

Ele procurou ainda justificar que o Vaticano se posiciona sobre determinados temas para orientar a comunidade católica, de 1,1 bilhão de fiéis no mundo todo, mas salientou que a decisão final cabe aos fiéis. A Igreja Católica condena o uso de contraceptivos, é contra o divórcio, a ordenação de mulheres e tem posições consideradas ultrapassadas por parte expressiva dos católicos brasileiros.

- A Igreja quer apenas indicar os valores morais de cada situação e formar os cidadãos para que possam decidir consciente e livremente - continuou o papa. - Neste sentido, não deixará de insistir no empenho que deverá ser dado para assegurar o fortalecimento da família, como célula mãe da sociedade; da juventude, cuja formação constitui um fator decisivo para o futuro de uma nação; e, finalmente, mas não por último, defendendo e promovendo os valores subjacentes em todos os segmentos da sociedade, especialmente dos povos indígenas.

O papa viajou acompanhado, entre outros, pelo cardeal italiano Giovanni Battista Re, prefeito da Congregação para os Bispos e presidente da Comissão Pontifícia para a América Latina. Também o acompanham o cardeal brasileiro Cláudio Hummes, prefeito da Congregação para o Clero e ex-arcebispo de São Paulo, e o português José Saraiva Martins, prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, entre outros religiosos.

Bento XVI seguiu de helicóptero para o aeroporto Campo de Marte, na Zona Norte de São Paulo. No local, ele recebeu a chave de São Paulo do prefeito Gilberto Kassab. Em seguida, Bento XVI seguiu de papamóvel para o mosteiro de São Bento, no Centro da cidade, onde ficará hospedado.

Centenas de pessoas aguardavam no exterior do mosteiro a chegada do pontífice, que permanecerá no Brasil até domingo, quando inaugurará no santuário mariano de Aparecida, a 169 quilômetros de São Paulo, a V Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe (Celam).