Com produção de Scorsese, ‘Building a Bridge’ estreia em Tribeca

O filme era aguardado com expectativa

Nick Capezzera/divulgação
Credit...Nick Capezzera/divulgação

O documentário de Shannon Post e Evan Mascagni, com o cineasta Martin Scorsese como produtor executivo, teve première mundial no Festival de Tribeca, na noite dessa terça feira (15) no Hudson Yards de Nova York.

O filme era aguardado com expectativa. Post e Mascagni já haviam manifestado sua satisfação por terem sido selecionados quando a inclusão do filme na grade do festival foi anunciada.

“Estamos muito orgulhosos deste filme e gratos pela oportunidade de exibi-lo entre tantos cineastas talentosos, especialmente no primeiro grande festival americano realizado presencialmente este ano. O Tribeca Film Festival é o lugar perfeito para estrearmos nosso documentário”, declararam na ocasião.

“Building a Bridge” é narrado a partir do trágico tiroteio em 2016 em uma boate voltada para o público LGBT+ em Orlando, que deixou 50 mortos e 53 feridos, considerado como um dos piores atentados a tiros da história dos Estados Unidos.

O ataque e a aparente apatia de seus colegas levaram James Martin, um padre, escritor e jornalista residente em Nova York a escrever o livro “Building a Bridge: How the Catholic Church and LGBT Community Can Enter into a Relationship of Respect, Compassion and Sensitiviy”.

O livro exorta os líderes da Igreja a serem mais receptivos, enfatizando aspectos dos ensinamentos católicos, que exigem tratar as pessoas LGBT+ com “respeito, compaixão e sensibilidade”. As subsequentes aparições em veículos da mídia tornaram o autor uma espécie de celebridade e vêm gerando manifestações, tanto de apoiadores como de opositores.

O documentário segue o padre Martin e as vidas impactadas por ele, como: parentes das vítimas do atentado, consolo a jovens, apoio a movimentos de protesto e também aos seus discursos em casas lotadas e nas viagens a Roma.

Em uma declaração sobre o filme, o padre disse esperar que ele leve os católicos a refletirem sobre a necessidade de criar uma igreja mais inclusiva.

“Fiquei muito feliz em saber que o filme foi aceito pelo Festival de Cinema de Tribeca. Sou especialmente grato a Martin Scorsese, Evan Mascagni e Shannon Post por fazer um documentário tão sensível e com tantas vozes diferentes”, afirma o padre, acrescentando que em suas orações roga para que as pessoas LGBT+ se sintam mais bem-vindas.

Como já noticiado, o evento neste ano está sendo realizado no formato híbrido, com sessões virtuais e presenciais em locais ao ar livre nos distritos da cidade.