Sundance inicia Maratona Indie

Brasil marca presença com dois filmes em competição

Seacia Pavao / Sundance Institute
Credit...Seacia Pavao / Sundance Institute

O Festival de Sundance, maior evento do cinema independente mundial, dá partida nesta quinta feira (28) à sua edição 2021. Em face da pandemia será um festival virtual através de uma plataforma online e com poucas exibições presenciais em locais predeterminados do País.

Mesmo sem a conhecida agitação da Main Street, rua principal de Park City (Utah, EUA), onde o evento acontece desde 1985, e a emoção dos diretores de ter seu filme aplaudido no majestoso Cine Eccles, o Sundance preparou uma diversificada programação, que inclui 74 longas-metragens vindos de 30 países, com 39 cineastas estreantes.

Macaque in the trees
Siân Heder, diretora de "CoDA" (Foto: Sundance Institute)

A partir desta edição, a nova diretora do Sundance é Tabitha Jackson em substituição a John Cooper que estava no comando do evento desde 2010.

Robert Redford, criador do festival, disse em um comunicado que a união tem sido um princípio forte no Sundance Institute.

“Ela esteve sempre presente no nosso trabalho para reinventar a edição 2021 do Festival, porque não existe o Sundance sem nossa comunidade”, ressaltou Redford, que está recolhido devido à perda do filho, o cineasta James Redford, morto em outubro último por complicações causadas por um câncer.

O último e recém-finalizado filme de James – “Amy Tan”, documentário sobre a famosa escritora americana – terá estreia no festival, na mostra “Specials Screenings”.

Participação brasileira

Como já noticiado, o Brasil concorre em duas mostras: na de curtas-metragens com “Inabitável”, de Matheus Farias e Enock Carvalho sobre a violência em torno da população LGBTQIA+; e na Cinema Mundial para melhor filme estrangeiro com “A Nuvem Rosa”, de Iuli Gerbase sobre uma nuvem tóxica ao redor do mundo que obriga todos a ficarem confinados. O filme foi finalizado em julho de 2019, bem antes do contexto da Pandemia.

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO

Competitivas americanas

Na competição de dramas, os mais aguardados são: “CoDA” (Children of Deaf Adults), de Sian Heder – que abre a principal mostra do festival – com a história de Ruby (Emilia Jones) única pessoa que ouve numa família de surdos; e "Passing”, estreia na direção da atriz Rebecca Hall.

Na competição de documentários os destaques são: "Summer of Soul”, de Ahmir "Questlove" Thompson sobre o esquecido Festival Cultural Harlem de 1969; e “All Light Everywhere”, de Theo Anthony, uma reflexão sobre a tecnologia do cotidiano e como ela transformou grande parte do mundo.

Competitivas estrangeiras

Na mostra Cinema Mundial de dramas, além de “A Nuvem Rosa”, também se destaca o filme de abertura “One for the Road”, de Baz Poonpiriya (China / Hong Kong) que segue um homem tentando ajudar um amigo em fase terminal.

Na Documentário Mundial, com mais da metade composta por estreantes, um dos mais aguardados é Flee, de Jonas Poher Rasmussen (Dinamarca / França) – que abre a mostra – historia real de um refugiado gay na Síria.

Paralelas

Criada para expor a diversidade do cinema independente contemporâneo, através do trabalho de diretores internacionais, a grande expectativa na Première é “In the Same Breath”, de Nanfu Wang, um intrigante filme sobre propaganda e o Covid-19 na China. Também são destaques: “Land” da atriz Robin Wright; e “Mass”, de Fran Kranz , relato de uma tragédia que afeta a vida de dois casais de formas diferentes.

Na tradicional Midnight – que já apresentou uma retrospectiva do nosso José Mojica Marins – o destaque é "Censor", que será o filme de abertura da mostra.

Em “Specials Screenings”, além do filme de James Redford, as maiores apostas estão no documentário “Life in a Day 2020”, de Kevin Macdonald, com imagens feitas por milhares de pessoas em todo o mundo durante um único dia: 25 de julho de 2020, no auge da pandemia.

Com encerramento em 3 de fevereiro, a edição 2021 foi reduzida para 8 dias ao invés dos 11 como normalmente acontece.



Emilia Jones, protagonista de "CoDA"
Siân Heder, diretora de "CoDA"