Os fluxos criativos da consagrada artista carioca Suzana Queiroga

Video da artista será exibido dentro do Projeto Arte em Diálogo – Na Quarentena do Museu Nacional de Belas Artes

Divulgação
Credit...Divulgação

Artista luso-brasileira, Suzana Queiroga vive e trabalha no eixo Lisboa/Rio de Janeiro, produzindo obras com uma grande variedade de meios, incluindo vídeos, performances, instalações, infláveis, pinturas,
desenhos e esculturas.

Atuante desde os anos 1980, quando participou da famosa exposição “Como vai você, Geração 80?” (1984, no Parque Lage/RJ), esta gravadora, pintora, desenhista e professora desenvolve poéticas que atravessam as questões do fluxo, do tempo e do infinito. Em suas obras de grandes dimensões, incluindo algumas intervenções urbanas, a experiência de expansão dos sentidos pode gerar espaços de imersão coletiva.

Uma pequena mostra deste primoroso universo criativo de Suzana Queiroga você vai poder acompanhar com o lançamento do video da artista na sexta, 4 de dezembro, dentro do Projeto Arte em Diálogo – Na Quarentena do Museu Nacional de Belas Artes. A exibição acontece às 16h, nas redes sociais do Museu: Facebook - MNBARio e Instagram - @mnbario.

A artista carioca conta cerca de 11 premiações nacionais no currículo, entre elas, o 5º Prêmio Marcantônio Vilaça /Funarte para aquisição de acervos, em 2012; Prêmio Nacional de Arte Contemporânea/ Funarte, em
2005; a Bolsa RIO ARTE, em 1999; e os X e IX Salões Nacional de Artes Plásticas, entre outros. Em 2015, mais uma consagração: obteve o Prêmio aquisição em video na XVIII Bienal de Arte de Cerveira(Portugal). Suzana também integrou inúmeras exposições coletivas nacionais e internacionais, além de diversas individuais.

Na última exposição que realizou no MNBA, em 2017, Suzana Queiroga participou do projeto Ver e sentir através do toque, exibindo obras interativas que contagiaram o público presente.

Macaque in the trees
Suzana Queiroga - O mundo segue indiferente a nós nº14 (Foto: Divulgação)



Suzana Queiroga
Suzana Queiroga - O mundo segue indiferente a nós nº14