Celso Furtado e os 60 anos de Formação Econômica do Brasil

Valendo-se da efeméride dos 60 anos de publicação de Formação econômica do Brasil, de Celso Furtado, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc, em parceria com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) e a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM), realiza, de 6 a 8 de novembro, o Seminário 3 vezes 22 - Celso Furtado e os 60 anos de Formação Econômica do Brasil. Nomes como Bernardo Ricupero (FFLCH/USP), André Botelho (UFRJ), Rosa Freire D'Aguiar (Centro Celso Furtado), Alexandre Barbosa (IEB/USP), Luiz Felipe Alencastro (FGV/SP), Ricardo Bielschowsky (UFRJ), entre outros, debatem não somente a relevância teórica e histórica da obra consagrada de Celso Furtado, como também avaliam sua contribuição interpretativa para pensar sobre os desafios contemporâneos.

Em janeiro de 1959, Celso Furtado publicou “Formação econômica do Brasil”, obra que rapidamente se transformou em clássico da literatura econômica e social do país. Ao apresentar uma síntese da história econômica do Brasil, o livro passou a ser leitura obrigatória para cientistas sociais inseridos no debate sobre a história e a economia brasileira, como também uma porta de entrada para estrangeiros interessados em conhecer aspectos da uma sociedade que vivia, em meados do século XX, um processo de intensa transformação.

Para a redação da obra Celso Furtado mobilizou um arcabouço de teoria econômica original para a literatura nacional, produzindo o que se passou a considerar como a obra prima do estruturalismo latino-americano. Como membro da Comissão Econômica para a América Latina - CEPAL, Furtado pode aprofundar sua análise sobre a especificidade da formação das economias latino-americanas, enfatizando a dimensão do subdesenvolvimento. Por outro lado, tendo escrito o livro durante sua vivência na Universidade de Cambridge, interagindo com renomados economistas como Nicholas Kaldor, Piero Sraffa e Joan Robinson, Furtado também se arvorou em conhecimento resultante da revolução keynesiana, que seria fundamental para que o autor pudesse iluminar o papel do Estado no desenvolvimento nacional.

No campo da história, por outro lado, poucos anos depois de sua publicação, “Formação econômica do Brasil” se consolidou como uma espécie de roteiro básico para os cursos de história econômica. A obra que nasceu comprometida com a reflexão sobre a economia brasileira, tornava-se também uma síntese sobre o nosso passado, que pautaria uma ampla agenda de pesquisa nos programas de pós-graduação do país.

Assim, partindo de uma formulação teórica original e de uma sintética interpretação histórica, Celso Furtado constituiu um dos mais relevantes projetos de desenvolvimento nacional do país. Na síntese de Francisco de Oliveira, em ‘A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado’, "para o erro ou para o acerto, boa parte da política econômica nas últimas cinco décadas é uma discussão em torno das formulações de ‘Formação Econômica do Brasil’".

PROGRAMAÇÃO:

Dia 6/11

Mesa 1. Formação Econômica do Brasil e o gênero de "Formação"

Bernardo Ricupero (FFLCH/USP), André Botelho (UFRJ), Vera Cepêda (UFSCar).

Mesa 2. Apresentação do filme "O longo amanhecer"

Mediação: Rosa Freire D'Aguiar (Centro Celso Furtado), Alexandre Barbosa (IEB/USP), Alexandre Saes (FEA/USP)

Mesa 3. Teoria e método em Formação Econômica do Brasil

Pedro Dutra Fonseca (UFRGS), Maurício Coutinho (Unicamp), Roberto Pereira Silva (UNIFAL)

Dia 7/11

Mesa 4. Da história econômica para a economia brasileira: o projeto político de FEB

Tania Bacelar (UFPE), Pedro Paulo Z. Bastos (Unicamp), Fernando Rugistky (FEA/USP)

Mesa 5. Da economia brasileira para a história econômica: os debates historiográficos herdados de FEB

Flávio Versiani (UNB), Alexandre Saes (FEA/USP)

Mesa 6. Dos 60 anos de FEB aos 50 anos de A Economia Latino-Americana

Rosa Freire D'Aguiar (Centro Celso Furtado), Luiz Felipe Alencastro (FGV/SP), Ricardo Bielschowsky (UFRJ)

Dia 8/11

Mesa 7. Formação econômica do Brasil e as novas correntes em economia

Flávio Saes (FEA/USP), Mauro Boianovsky (UNB), Fernanda Cardoso (UFABC)

Mesa 8. A atualidade de Formação econômica do Brasil

Gilberto Bercovici (FD/USP), Alexandre Barbosa (IEB/USP

Mesa 9. FEB no acervo de Celso Furtado

Rosa Freire D'Aguiar (Centro Celso Furtado), Elisabete Riba.

_

Seminário 3 vezes 22 - Celso Furtado e os 60 anos de Formação Econômica do Brasil

De 6 a 8 de novembro de 2019, quarta a sexta, das 10h às 18h30.

Recomendação etária: 16 anos. 30 vagas.

Preço: R$ 50,00 (inteira); R$ 25,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública); R$ 15,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).

_

Sobre o CPF Sesc

Inaugurado em agosto de 2012, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc é uma unidade do Sesc São Paulo voltada para a produção de conhecimento, formação e difusão e tem o objetivo de estimular ações e desenvolver estudos nos campos cultural e socioeducativo.

Além do Curso Sesc de Gestão Cultural - que visa a qualificação para a gestão cultural de profissionais atuantes no campo das Artes, tanto de instituições públicas como privadas - a unidade proporciona o acesso à cultura de forma ampla, tematicamente, por meio de cursos, palestras, oficinas, bate-papos, debates e encontros nas diversas áreas que compreendem a ação da entidade, como artes plásticas e visuais, ciências sociais, comportamento contemporâneo e cotidiano, filosofia, história, literatura e artes cênicas, voltadas para o público em geral.