Um cineasta marginalizado

E nquanto tropa de elite 2 caminha célere para bater o recorde de bilheteria do cinema brasileiro em todos os tempos, uma história de bandido e mocinhos corruptos do passado (não muito distante) chega pela primeira vez ao dvd. visto por cerca de 5,4 milhões de brasileiros quando lançado nas salas, em 1977, lúcio flávio, o passageiro da agonia , sobre o famoso ladrão de bancos dos anos 60 e 70 que, antes de morrer, revelou as ligações da polícia com o mundo do crime, é uma das preciosidades da caixa de discos com a obra do diretor hector babenco.

Autor de inúmeras histórias sobre a marginalidade brasileira, o realizador argentino duvida, no entanto, que o bandido galã, na tela interpretado por reginaldo farias, tivesse a mesma sorte no circuito hoje, quando o público coroa o capitão nascimento como herói nacional.

– acho que pode haver um problema de não identificação com a linguagem do filme – teoriza babenco, responsável por carandiru (2003), um dos primeiros hits da chamada retomada do cinema brasileiro. – lúcio flávio foi rodado numa época diferente, tinha uma narrativa bem característica daquele tipo de cinema que fazíamos nos anos 70. o público de hoje está acostumado com outro tipo de registro, que privilegia a ação, a fragmentação, e talvez o rejeitasse como filme.

A coleção hector babenco (europa filmes, r$ 229) contém oito títulos assinados pelo diretor e inclui as versões recém-restauradas e remasterizadas de pixote – a lei do mais fraco (1982), longa-metragem que transformou o diretor em um nome internacional, e o beijo da mulher-aranha (1985), ganhador dos oscars de melhor ator (william hurt) e roteiro adaptado daquele ano. o rei da noite (1975), o primeiro longa-metragem de babenco, estrelado por paulo josé e marília pêra, e lúcio flávio t ive ra m que passar por processo de limpeza digital para o lançamento. – pixote foi o filme que mais nos deu trabalho – observa o cineasta, que chegou ao país no fim dos anos 60 e se naturalizou brasileiro no início dos 70.

– o original estava em frangalhos, afinal foi dele que surgiram as cerca de 260 cópias que fizemos do filme. não tínhamos um segundo negativo do fil