Impacto visual

DANÇA

O Balé Nacional da China se apresenta pela primeira vez na cidade, com o espetáculo ‘Lanter nas vermelhas’, inspirado no filme homônimo de Zhang Yimou

Carlos Eduardo Oliveira

ESPECIAL PARA JORNAL DO BRASIL, DE SÃO PAULO

Em1988, oentãodesconhe- cido cineastachinês ZhangYi- mou arrebatoua críticainter- nacional com o hipnótico

O sor- go vermelho

,Urso deOurono Festival de Berlim daquele ano. Trêsanos depois,adose sere- petiria com

Lanternas verme- lhas

, indicado parao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Es- tava lá, em ambas as obras, a fas- cinante estética que legou a Yi- mouo apelidode“o estetadas cores”. O forteapelo visual de seus filmes pode ser confirmado a partir de hoje no palco do Teatro Municipal, onde o Balé Nacional da China apresenta até domingo justamente

Lanternas vermelhas

, em versão adaptada baseada no filme homônimo – e dirigida pelo próprio cineasta, cuja carreira in- ternacional decolaria com filmes como

Herói

(2002) e

O clã das adagasvoadoras

(2004). Trata-se de uma super- produçãoque marcaa primeira incursãoda companhia pela Améri- ca do Sul,após pas- sagem bemsucedi- da pela Europa, Austrália e Méxi- co. Antes do Rio, a montagem passou por Porto Alegre,Curitiba e SãoPaulo.Criado em1959,o Balé Nacional da China é a úni- ca companhiade dançaesta- tal – e a mais importante – do país. Durante longo tempo, so- freu intervençõesdo governo comunista deMao Tse-tunge sua Revolução Cultural, tendo atuações limitadas a temas es- querdistas de agrado dos di-

Continua na página seguinte.

SUCESSO

–A obra de 2001, agora em turnê pelo Brasil, projetou o grupo no mundo