Heloisa Tolipan

Heloisa Tolipangentejb.com.br

Heloisa Tolipan

Além da

vilã

DivulgaçãoCPDoc JB

BEATRIZ SEGALL NAS ANTOLÓGICAS CENAS DE ‘VALE TUDO’, NA PELE DA VILÃ ODETE ROITMAN

Ao ligar, ontem à tarde, para a casade

Beatriz Segall

para conversar sobre a peça que ela estreia, hoje, no Centro Cultu- ral Correios, a atriz nos atende com a voz doce e faz o seguinte pedido: “Está reprisando o ca- pítulo de

Vale tudo

no qual apa- reço pela primeira vez e eu gos- taria muito de ver. Será que vo- cê pode retornar a ligação da- qui a pouquinho?”. É claro que a gente pode, Beatriz, até por- quenossa vontadeeratam- bém assistir à vilã Odete Roit- man na novela de 1988, repri- sadano canalViva.Capítulo encerrado, vamos lá:

Acompanha a novela?

–Quenada. Estouensaiandoo espetáculo

Conversando com mamãe

e não dá tempo.

Você curte essa volta do suces- so de ‘Vale tudo’?

– Curtoter feito opapel. Mas acho chato quando as pessoas, se achando muito originais, me perguntam, narua, pelamilé- sima vez: “Quem, afinal, matou Odete Roitman?”.

Jura que isso rola até hoje?

– Juro! Tem gente que me cha- ma de DonaOdete pensando que esse é meu nome.

Agora, falando da peça ‘Con- versando com mamãe’, como ela chegou à você?

– Sempre produzi meus espetá- culos,mas agoracansei.Não queromais saberde ficarmo- fando na sala de espera das fir- mas, implorando peloamor de Deus parapatrocinarem meu trabalho.Dessa vez,oconvite veio do Herson

(Capri, com quem Beatriz contracena na peça)

.

E como foi trabalhar com ele?

– Uma delícia! Não o conhecia direito e descobri que Herson é tãogentil.Além debomator, ajuda muito,já quetambém é co-diretor da peça, dirigida pela mulher dele, Suzana Garcia.

Qual a análise que você faz so- bre o conteúdo da peça?

– Aborda a relação entre mãe e filho,masessa éumamãetão simpática que não tem como não adorá-la. Ela é alegre e mal- criada àsvezes. Devemexistir milhões iguais, mas a acho uma personagem especial, porque faz rir e chorar.

Prefere fazer comédia?

– Faço sempre que posso, mas, na verdade, o que eu prefiro são os bons papéis.

Fazquatroanos quenãoes- treia umapeça no Rio.A si- tuaçãopara conseguirpatro- cínio melhorou?

– Não, porqueo patrocinador brasileiro não está interessado emfazer umbomespetáculo, elequer tercerteza doretorno financeiro. Sempre.

Como será a temporada no Rio do espetáculo?

– Depois de seis semanas no CentroCultural Correios,ele vaiparao TeatrodoLeblon.E espero que fique uns dois ou três anos em cartaz!

continua