O susto nas entrelinhas

Julia Moura

Aestranheza quenãoestá no mundo fantasioso mas em traçosdo cotidianoé aespe- cialidadedo cinemade Kiyoshi Kurosawa. Na retros- pectiva sobreo diretorjapo- nês que o CCBB estreia hoje, às 18h,o espectadorvai as- sistir a 16 filmes que eviden- ciam por que o cineasta é co- nhecido por recriar o gênero fantástico. São duas semanas de mostra, que abre com

Pulse

(vencedordo PrêmiodaCrí- tica na mostra Un Certain Re- gard, do Festival de Cannes 2001), quemantém fãsfiéis até hoje. – Na minha opinião, o cine- ma de Kurosawa conquista porque o terror está não ali mas nas entrelinhas, em pe- quenos detalhes da vida e dos personagens – explica a orga- nizadora da mostra, Frances- caAzzi,que pesquisaaobra do diretor desde 2006. – O me- docresce daobservaçãodo outro, daquilo que é estranho ao outro. Mas vale frisar que ele não fica nunca preso a um gênero apenas. A restrospectiva exibe tam- bém a série

A vingança

, de de- tetives, e

Ya k u z a

, feita para a televisão nosanos 90,além de filmes que o consagraram como

Futuro brilhante

( Fe s- tival de Cannes 2003),

S o n at a de Tóquio

(prêmio do júri na mostra Un Certain Regard, em Cannes 2008), entre outros. –Quem apenasbuscaum filme de terrorvai acabar tendo outraexperiência – exalta Francesca. – A manei- racomo eletrata oselemen- tos fantásticos vai muito alémdo tratamentodadono cinema comercial. Para Kiyoshi, o susto nasce do des- c o n h e c i d o. E essa diversidade do diretor é que pode influenciar o cine- ma daqui. – Esta misturade gêneros que o Kurosawa executa é uma tendência contemporânea que acabainfluenciando oci- nema brasileiro,já queele já tem um pé lá (

risos

) – encerra a curadora.

MOSTRARetrospectiva do cineasta japonês Kiyoshi Kurosawa, que estreia hoje no CCBB, reúne 16 filmes que recriam o gênero fantástico