O corpo não mente

russo , como metáf or a par a o momento em que os dois artis - tas vi v em. Inter agindo com uma mesa e um tapete, tr az en - do os elementos ceno g ráficos ao centr o da narr ati v a, ambos dançam dur ante 22 min utos, sem esconder o cansaço e as dificuldades físicas da idade. No final, aca bam e xaustos. – É uma peça sobr e um casal madur o – obser v a ainda Ba - r yshnik o v . – Não há uma his - tória. Mesmo assim, deli - neia-se, a partir da apr esenta - ção , uma série de questiona - mentos sobr e o interior dessas duas pessoas, que não são mais jo v ens. Eu e Ana não temos mais idade par a inter pr etar ou - tr o tipo de per sonagem. Só po - demos ser nós mesmos.

T rês solos e um dueto

começa em 2008, quando Bar yshnik o v r ece beu um telef onema sur - pr esa do cor eóg r af o Mats Ek, marido da Ana, con vidando-o par a f az er um espetáculo a partir de alguns de seus solos. O pr ojeto f oi sendo tocado en - tr e No v a Y or k e Estocolmo , on - de mor am, r especti v amente, bailarino e cor eóg r af o . Desde sua estr eia, em 2009, f oi suces - so nos EU A e na Eur opa. Bar yshnik o v pr efer e não definir o espetáculo (“Isso é par a os críticos”, ar gumen - ta), mas gosta de v er as pe - ças, assinadas pelos cor eó - g r af os Mats Ek, Benjamin Millepied e A le xei Rat - mansk y , como “não clássi - cas”. Só uma concepção mo - derna como a de

Place

, por sinal, poderia brincar com a própria condição da dupla. – A batalha com o cor po é iner ente a todo bailarino – lembr a Bar yshnik o v . – No clássico , é algo que se escon- de. Mas, como esta peça é mo- derna, quanto mais a nossa e xaustão é r e v elada, mais in- ter essante fica. Consider ado por m uitos co- mo o bailarino mais impor- tante do século 20, Bar yshni- k o v diz que não se importa com o título . – Nao sinto nada. Dança não é Nadal contr a F eder er . A l- guns gostam do meu tr a balho , outr os não . T udo é subjeti v o .

T eatr o Municipal

, Praça Floriano, s/nº, Centr o (2332-9005). Cap.: 2.244 pessoas. 6ª, às 20h; dom., às 19h. R$ 40 (galeria lateral), R$ 60 (galeria e balcão superior laterla), R$ 140 (balcão superior), R$ 260 (plateia, balcão nobr e, frisas e camar otes).