O corpo não mente

Divulgação

Bolívar T o rr es

Apesar da con- sag r ação , das honr arias, do dinheir o e do re c o n h e c i - mento , nada m udou. Mais f a- moso bailarino vi v o , Mikhail Bar yshnik o v contin ua com o ner v osismo de um iniciante antes de cada apr esentação . Não será difer ente quando subir ao palco do Municipal, amanhã à noite, par a dançar as peças de

T rês solos e um due- to

, ao lado da bailarina espa- nhola Ana Laguna. – Sou um perf ormer m uito ner v oso – confessou, em entr e - vista coleti v a, r ealizada no úl - timo dia 18, na vésper a da apr esentação do espetáculo em São P aulo . – Já estou ner - v oso par a amanhã à noite. Nunca é fácil acor dar cedo to - do o dia par a tr a balhar . P ode ser fácil se v ocê não fiz er di - r eito . Afinal, todo m undo pode dançar depois de be ber algu - mas caipirinhas. Mas f az er is - so da maneir a corr eta, que é a única maneir a que eu sei f az er , pode ser m uito difícil. Quando eu me aposentar , talv ez sinta f alta de tudo isto . Mas só v ou sa ber quando c hegar lá. A julgar pela sua agenda cor - rida – aos 62 anos, viaja pelo m undo com o no v o espetáculo – o dia de par ar ainda está lon - ge.

T rês solos e um dueto

, con - tudo , não deixa de r efletir so - br e a ine vitáv el passagem do tempo . Retoma (em no v a v er- são) a peça

Y ears la ter

, criada pelo fr ancês Benjamin Mille- pied, do Ne w Y or k City Bal- let, na qual Bar yshnik o v dan- ça em fr ente a imagens de si mesmo quando jo v em, ainda estudante. Sobr eposições en- tr e passado e pr esente assom- br am a f ase atual do bailari- no , que demonstr a uma ne- cessidade natur al de r e v er a carr eir a. Neste sentido ,

Tr ê s solos e um dueto

sur ge como um espetáculo conceitual, que e xplor a o próprio peso da idade – e da f ama – de Bar ysh- nik o v e Ana Laguna – ambos com 62 e 54 anos, r especti v a- mente. – O cor po não mente, não im - porta a idade e o bailarino – obser v a Bar yshnik o v , lem - br ando a dificuldade em man - ter o físico com uma r otina de io ga, fisioter apia e todos o ba - c kg r ound de sua f ormação clássica. – As peças são o r e - fle xo do acúm ulo de e xperiên - cias de uma vida. Re v ejo a mim mesmo como há mais de 50 anos. Algumas memórias são doces, outr as nem tanto . No último segmento , Bar ysh - nik o v e Ana Laguna di videm o palco em

Place

. Cor eo g r af ada por Mats Ek, ser v e, segundo o

FIRMES

– A dupla durante a entr evista coletiva na véspera da apr esentação em São Paulo