Um policial delirante

-->Peça tem boas cenas e diálogos mas car r ega no tom farsesco--> Jô Bilac, autor deste te xto em cartaz no Oi Futur o Flamengo , r eafirma, uma v ez mais, a sua pr eferência por ma - nipular vários estilos par a construção de um uni v er so dr amatúr gico r epleto de r eferências. Em -->O ma tador de santas -->r eiter a a sua admir ação por Nelson Rodrigues, e tr ansf orma a sua narr ati v a em um policial delir ante com inspi - r ação e citações das peças do criador de -->A falecida -->. Com e v ocati v os diálo gos r o - driguianos e t ravo melodr amático , a r ealidade de per sonagens em estado de tensão permanente e sentimentos de - sa bridos complementa essa filiação es - piritual ao teatr o de Nelson Rodrigues. Além de acr escentar algo do uni v er so das no v elas e do cinema de tintas mais carr egadas, Jô Bilac tr aça o esboço de sua pr eferência autor al por captar , pa - r a triturá-las, essas inspir ações múl - tiplas. A tr ama de uma f amília r eúne a matriar ca de loquacidade destempe - r ada e o marido que se assemelha a um acomodado aposentado , di vidido entr e a leitur a intermináv el de jornal e a companhia de uma gaiola que esconde a v es misteriosas. E ainda acomoda a filha em dúvida sobr e o casamento . Em torno desse núcleo , assassinatos em sé - rie, aqueles a que se r efer e o título , pair am sobr e a bisbilhotice da m ulher e o silêncio do homem. Desta situação básica, e xtr aem-se alguns diálo gos bem conduzidos e cenas com r elati v a di - nâmica. Mas no desen v olvimento da tr ama, Jô demonstr a uma certa inse - gur ança de le v ar a termo os conflitos que pr opõe. Um tanto ób vio e e vidente, o desfec ho banaliza o conciso e apr es - sado entr ec ho . Esses pr oblemas são acentuados pelo dir etor . Guilherme Le - me conduz a montagem n uma c ha v e f ar sesca, que o te xto até insin ua, mas carr ega demais neste r egistr o , em es - pecial na linha inter pr etati v a dos ato - r es. A atmosfer a de f ar sa asfixia qual - quer outr a r ecepção par a o espetáculo , conotando a cena com humor , que pega car ona nas fr ases de efeito à moda r odriguiana e no clima de policial de r e vistinhas popular es do gêner o . Ân - gela V i eir a é a mais pr ejudicada por esta opção , car acterizada como uma a v e mar c hador a que tr ansf orma a his - teria da per sonagem n uma tipificação de imagem. T onico P er eir a domina bem o silêncio significati v o do marido . I za - bella Bicalho se r essente da pr ecária e v olução que o autor desenha par a a filha. Raf ael Sieg funciona com um contr aponto apagado .-->CRÍTICA -->| O matador de santas -->55-->Divulgação-->TIPIFICAÇÃO -->– Ângela Cieira e Rafael Sieg: frases de efeito