Declaração de Bolsonaro sobre vacinação é 'altamente destrutiva', diz especialista

Macaque in the trees
Bolsonaro diz que ninguém é obrigado a tomar vacina (Foto: Reuters / Adriano Machado)

A declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre não poder "obrigar ninguém a tomar vacina" contraria lei de fevereiro que prevê vacinação compulsória.

Na última segunda-feira (31), ao falar com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse a uma mulher que "ninguém pode obrigar ninguém" a receber a vacina contra a Covid-19.

No entanto, o próprio presidente sancionou, em fevereiro, uma lei que prevê a vacinação compulsória como medida de enfrentamento da pandemia.

O médico sanitarista e professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, Gonzalo Vecina Neto, classificou a declaração do presidente como "absolutamente destrutiva", citando o caso da vacinação de crianças.

"Como é que o presidente de um país pode ir contra a lei? O estatuto da criança e adolescente fala claramente que é crime punível os pais deixarem de fazer a vacinação de seus filhos. Nós temos doenças terríveis ainda circulando no nosso meio, como é o caso da poliomielite. Como é que pode pensar na hipótese de não vacinar a criança?", disse ele.

"O mundo seria um desastre se não fossem as vacinas, ou se tivéssemos vacinas que não fossem seguras. As nossas vacinas todas são extremamente seguras. O resto é ignorância grossa e que tem que ser adequadamente enfrentada", acrescentou. (Com agência Sputnik Brasil)