Criatividade: tendência mais forte do design

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2020/06/20/97x70/1_foto_1_london_school-539741.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5eede366ec360', 'cd_midia':539749, 'ds_midia_link': 'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2020/06/20/627x418/1_foto_1_london_school-539741.jpg', 'ds_midia': 'Modelos assinados por alunos da BA Central St, Martin, escola de moda famosa, de Londres
', 'ds_midia_credi': 'divulgação', 'ds_midia_titlo': 'Modelos assinados por alunos da BA Central St, Martin, escola de moda famosa, de Londres
', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

Porque o mundo precisa de criatividade: este é o lema da mais famosa escola de moda do mundo, a Central Saint Martin, de Londres. De lá saíram designers como John Galliano, Stella McCartney e Alexander McQueen, e lá continuam a se formar bacharéis cheios de originalidade. Jovens que mantém o olhar para o mundo fora dos limites dos cabides, dos desfiles e das máquinas de costura.

Esta é a impressão que se tem da formatura nesta semana de 106 alunos recém graduados do BA Fashion Course. Primeiro, o tradicional desfile foi substituído por um vídeo de 20 minutos, que mostra as visões radicais da turma. A começar pela abertura com uma bandeira da Inglaterra com a palavra Shame (vergonha) tecida na base, criada pelo aluno Gus Langford, do curso de estampa. Cada estudante preparou dois looks, assinados e confeccionados por eles.

Um dos destaques da apresentação é o filipino Jessan Macatangay, do curso de moda e marketing. Suas obras são baseadas em cadeiras cobrindo os corpos, entre camadas de tecidos drapeados. Segundo seu comentário ao site WWD.com, “estes modelos representam a luta entre o poder e a beleza”. Suas referências também foram os drapeados de Madame Grés, as fotos de Melanie Bonajo, as esculturas de Erwin Wurm e as obras do filipino Ben Cabrera.

“Mesmo que seja um móvel feito para descansar, quando posto em uma posição diferente, a cadeira ganha um poder contrário, se torna pesado e incômodo. A solução é enfrentar esta luta e encontrar meios de se encaixar nesta estrutura. Pedi à modelo para tentar cada abertura da cadeira possível, e depois desconstruí o móvel” completou Jessan.

Entre outros, destacam-se também Harris Reed, Yoobee Son, Scarlett Yang, Bahan Lin, James Walsh, Jisoo Jang, Mathilde Rougier, Saaba Stapleton, Salome Kappelin e Violette Villeneuve. Não há concurso, nem houve edição no video. Sarah Gresty, diretora da escola, explicou a mudança da apresentação, por causa do lockdown: “ Era importante celebrar a criatividade apesar dos desafios da crise. Tenho orgulho do trabalho e da produção destes alunos, que provaram ter resiliência, inteligência, bravura e criatividade. Esta será uma turma inesquecível”, declarou ao WWD.

Cadeiras, bandeiras, tecidos reaproveitados, vale tudo nas propostas desta nova turma de possíveis futuros diretores de criação. Não que alguém vá vestir uma cadeira para ir a uma festa, mas é preciso lembrar que este tipo de coleção serve para mostrar além de simples peças para um guarda-roupa comum. Neste momento, os autores usam toda a liberdade para inventar modelos que expressam a atualidade fora dos portões da escola e dos ateliês de costura.

Enquanto isto, os veteranos participantes da semana de Nova York decidem como será a apresentação das coleções em setembro. Segundo os organizadores, a previsão é óbvia: a Internet terá muita importância nas operações da indústria, face às demandas globais.

Macaque in the trees
Uma cadeira entre tecidos drapeados forma a base das peças criadas pelo filipino Jessan Matacangay, destaque da turma (Foto: divulgação)



Modelos assinados por alunos da BA Central St, Martin, escola de moda famosa, de Londres
Uma cadeira entre tecidos drapeados forma a base das peças criadas pelo filipino Jessan Matacangay, destaque da turma